January 26, 2015 / 7:28 PM / in 3 years

Defesa de Cerveró pede intimação de Gabrielli e desiste de indicar Dilma como testemunha

Por Eduardo Simões

Ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró chega à PF em Curitiba (PF). 14/1/2015 REUTERS/Daniel Derevecki

SÃO PAULO (Reuters) - A defesa do ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró solicitou à Justiça a intimação do ex-presidente da estatal José Sergio Gabrielli como testemunha no processo a que responde por suposto recebimento de propina quando era diretor da empresa e desistiu do pedido feito mais cedo para que a presidente Dilma Rousseff também fosse intimada.

Cerveró é acusado de corrupção por ter supostamente recebido propina na compra de navios-sonda da Petrobras.

O ex-diretor nega as acusações e, em defesa encaminhada por escrito à Justiça, seu advogado pede sua absolvição e extinção do processo. Argumenta também que a Justiça Federal do Paraná é incompetente para julgar o caso porque, segundo o Ministério Público Federal, os crimes teriam acontecido no Rio de Janeiro.

A defesa de Cerveró havia pedido que a presidente fosse intimada como uma de sua testemunhas, mas enviou outro pedido à Justiça Federal do Paraná desistindo do pedido alegando que a contratação dos navios-sonda foi tomada diretamente pela diretoria da Petrobras, sem passar pelo Conselho de Administração da Petrobras, presidido por Dilma entre 2003 e 2010.

Já Gabrielli, que presidiu a estatal entre 2005 e 2012, foi indicado como testemunha junto a outras sete pessoas.

Cerveró está preso na carceragem da Polícia Federal em Curitiba desde 14 de janeiro. O Ministério Público pediu sua prisão por entender que o ex-diretor seguiria cometendo crimes ao fazer transferências patrimoniais no que seria, de acordo com a Procuradoria, uma manobra para ocultar recursos de origem ilícita.

A Justiça já denunciou 39 pessoas na operação Lava Jato. Além de Cerveró, foram denunciados o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa e 23 pessoas ligadas a seis das maiores empreiteiras do Brasil.

Segundo depoimento feito à Justiça por Costa, que assinou acordo de delação premiada em troca de redução da pena, as empeiteiras teriam formado um cartel nos contratos com a Petrobras, que seriam firmados com sobrepreço.

Em troca, diretores da estatal, operadores do esquema políticos e partidos receberiam propina. Entre os partidos citados por Costa em seu depoimento estão PT, PP e PMDB.

A Procuradoria-Geral da República montou uma força-tarefa para analisar o envolvimento de políticos com prerrogativa de foro junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas o procurador-geral, Rodrigo Janot, só deve apresentar eventuais denúncias ao Supremo após a volta do recesso do Judiciário em fevereiro.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below