March 26, 2015 / 9:29 PM / 4 years ago

É preciso acabar com a farra de criação de partidos patrocinados pelo governo, diz Renan

BRASÍLIA/RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou nesta quinta-feira que é preciso acabar com a “farra” da criação de novos partidos com o apoio do governo, um recado claro de que desaprova a tentativa de criação do PL.

O pedido de registro do Partido Liberal (PL), apoiado pelo ministro das Cidades, Gilberto Kassab, ocorreu na última segunda-feira, dois dias antes de a presidente Dilma Rousseff sancionar, com um veto parcial, a lei aprovada pelo Congresso que dificulta a fusão entre legendas.

“Precisamos acabar com a farra da criação de partidos políticos, principalmente de partidos patrocinados pelo governo, que pretende fazer a fusão para levar aliados”, disse Renan a jornalistas nesta quinta-feira.

A movimentação para a criação da nova sigla, com a intenção fundi-la com o PSD de Kassab e criar bancadas de peso na Câmara e no Senado, já vinha provocando rusgas desde o ano passado na relação entre o governo e o PMDB, que teme perder espaço.

“Como pode o governo patrocinar uma coisa que objetiva diminuir o tamanho do aliado?”, questionou o presidente do Senado. “Do ponto de vista da articulação política do governo no último mês, essa foi a pior criação”, disse.

“Uma coisa é criar um partido na forma da lei. Outra coisa é criar um partido sob o Ministério das Cidades e o Ministério da Educação”, acrescentou Renan.

O ex-ministro da Educação Cid Gomes, que deixou o posto na semana passada depois de pesada sessão na Câmara após troca de farpas com deputados e com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), havia mencionado a intenção, no fim do ano passado, de criar uma frente de partidos mais à esquerda para facilitar a governabilidade da presidente no Congresso.

No Rio de Janeiro, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que o PMDB é um partido “parceiro” e negou que o governo tenha estimulado a criação do PL.

“De forma nenhuma houve estímulo do governo para o Kassab”, disse o ministro.

“O PMDB é um partido parceiro que construiu essa relação durante o governo Lula e da presidente Dilma Rousseff. É absolutamente natural na democracia mundial que, por vezes, se tenham discussões entre partidos parceiros e aliados... Não tenho a menor dúvida que o PMDB é um parceiro, que temos profundo respeito e tudo se resolve com diálogo e companheirismo.”

Na quarta-feira, Cunha disse estranhar que o pedido de criação do PL tenha ocorrido dias antes da sanção da lei. Ele disse ainda que o PMDB pretende questionar na Justiça o pedido de registro do PL e afirmou que a Câmara vai trabalhar para derrubar o veto parcial de Dilma à lei que dificulta a fusão entre partidos.

Reportagem de Maria Carolina Marcello, com reportagem adicional de Rodrigo Viga Gaier no Rio de Janeiro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below