June 1, 2015 / 9:52 PM / 4 years ago

Governo vai dialogar, mas quer que espírito de projeto das desonerações seja mantido, diz ministro

Ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, em entrevista em Brasília. 31/3/2015. REUTERS/Ueslei Marcelino

(Reuters) - O governo da presidente Dilma Rousseff vai dialogar com o Congresso Nacional sobre o projeto de lei que reduz a política de desoneração da folha de pagamento, mas espera que o objetivo do projeto seja mantido pelo Legislativo, disse nesta segunda-feira o ministro da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva.

O projeto de lei que reduz a desoneração da folha para mais de 50 setores da economia é parte das medidas de ajuste fiscal enviadas pelo governo ao Congresso e o relator da proposta na Câmara, deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), já sinalizou que fará em seu parecer mudanças em relação à proposta original enviada pelo Executivo.

“A posição do governo é de diálogo, de muito diálogo. O Executivo quer dialogar com o Legislativo”, disse Edinho a jornalistas após reunião de coordenação política no Palácio do Planalto.

“Evidente que o ideal é que o espírito do projeto seja mantido, que os objetivos do projeto sejam alcançados”, acrescentou.

Depois da aprovação de três medidas provisórias do ajuste fiscal no Congresso na última semana, o próximo desafio do esforço do governo para reequilibrar as contas públicas é o projeto de lei das desonerações.

Originalmente editado como medida provisória, devolvido pelo Congresso ao Planalto, e reeditado como projeto de lei, o texto prevê elevação de 1 por cento para 2,5 por cento da alíquota de contribuição previdenciária sobre a receita bruta para a indústria e de 2 por cento para 4,5 por cento para empresas de serviços.

Picciani prevê que a discussão da matéria deve levantar controvérsias. Ele já avisou que não “vislumbra” a possibilidade do texto original do governo ser aprovado e que trabalhar com essa hipótese lhe parece “fora da realidade”.

O relator, que também é líder do PMDB na Câmara, pretende deixar quatro setores de fora da reversão de desoneração —transporte urbano, comunicação social, call centers e indústrias responsáveis por alguns produtos da cesta básica.

Pelas estimativas feitas pelo governo ao enviar o texto para o Congresso, a proposta poderia elevar a receita em 5 bilhões de reais neste ano e em 12 bilhões de reais em 2016.

Por Eduardo Simões, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below