June 24, 2015 / 12:25 AM / in 3 years

Lula não é investigado da Lava Jato neste momento, diz procurador do MPF

CURITIBA (Reuters) - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não faz parte das investigações da Lava Jato neste momento, disse à Reuters nesta terça-feira o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, do Ministério Público Federal (MPF).

Procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, do Ministério Público Federal (MPF), concede entrevista à Reuters, em Curitiba, nesta terça-feira. 23/06/2015 REUTERS/Rodolfo Buhrer

“Neste momento, o ex-presidente não faz parte da investigação”, disse Santos Lima, que integra a força-tarefa da investigação do escândalo bilionário de corrupção envolvendo a Petrobras, funcionários da estatal, executivos de empreiteira, políticos e partidos.

“O que nós temos até agora (sobre Lula) são só notícias da imprensa”, disse.

“O fato é que se encontramos elementos, investigaremos (Lula) como qualquer outro”, afirmou o procurador, ao ser indagado sobre o fato de o ex-presidente não ter mais foro privilegiado.

A prisão do presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht, na última sexta-feira, gerou especulações na imprensa de que a Lava Jato estaria mais perto de alcançar Lula, devido à proximidade do ex-presidente com o influente empresário à frente do maior grupo de construção e engenharia da América Latina.

O presidente da Andrade Gutierrez, Otávio Marques Azevedo, também foi detido na sexta-feira.

Em uma longa entrevista, Santos Lima disse que a operação Lava Jato ainda deve levar ao menos mais dois anos para ser concluída e que “há muita coisa para denunciar ainda”.

As investigações já extrapolaram a Petrobras e, segundo o procurador, apontam para corrupção nos contratos de grandes empreendimentos no setor elétrico, como as usinas de Belo Monte e de Angra 3, ambas com participação da estatal Eletrobras.

Lima disse que não tem dúvida de que a Odebrecht e a rival Andrade Gutierrez lideraram um “cartel” que superfaturou projetos da Petrobras e repassou o excesso a executivos e políticos.

Os procuradores acusaram executivos de corrupção e lavagem de dinheiro, mas não por formar um cartel que, segundo eles, começou há 10 ou 12 anos.

A Odebrecht nega ter participado de um cartel e considerou as prisões ilegais.

Santos Lima também afirmou que os advogados da Odebrecht e de outros executivos presos na sexta-feira não deram qualquer sinal de interesse em fazer acordos, o que tem sido um fator-chave na condução da investigação até agora.

“Se alguém de dentro da Odebrecht resolver fazer colaboração, quem sabe a gente tem uma informação a respeito dessa parte política também”, disse.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below