February 8, 2017 / 10:07 PM / a year ago

Espírito Santo terá mais tropas federais para conter violência durante greve de policiais

Por Paulo Whitaker

Soldados fazem segurança em praia de Vitória. 8/2/2017. REUTERS/Paulo Whitaker

VITÓRIA (Reuters) - O governo do Estado do Espírito Santo receberá o reforço de 550 militares, após pedir, nesta quarta-feira, o envio de mais tropas federais para enfrentar uma onda de violência registrada em decorrência de uma greve de policiais, que em cinco dias já deixou mais de 80 mortes relatadas.

O número de mortos, se confirmado, seria cerca de seis vezes maior que a taxa de homicídios no Estado registrada ao longo do ano passado.

Apesar da mobilização de mil soldados das Forças Armadas e de um contingente de 200 homens da Força Nacional, que chegaram ao Estado na segunda-feira, a violência continua se alastrando após a Polícia Militar iniciar uma greve no fim de semana por uma disputa sobre reajuste salarial.

Nesta quarta, o Ministério da Defesa anunciou que o Estado receberá reforço de 550 militares das Forças Armadas, além de mais 100 integrantes da Força Nacional de Segurança Pública. De acordo com nota, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse que o governo federal atende aos pedidos do Espírito Santo “dentro da nossa capacidade” e “se forem necessários outros deslocamentos serão feitos”.

Mediante uma onda de assaltos, roubos e assassinatos, autoridades locais disseram precisar de centenas de tropas militares a mais para ajudar a compensar a média de 1.800 policiais que normalmente patrulham as ruas do Estado.

A greve, que tem participação de familiares e amigos de policiais que bloquearam acessos a batalhões, acontece à medida que o Espírito Santo, assim como outros Estados, enfrenta dificuldades financeiras para garantir serviços como saúde, educação e segurança.

O governador Paulo Hartung disse nesta quarta-feira que a greve, que fez com que escolas e hospitais fossem fechados e muitos moradores decidissem ficar em casa por medo da violência, é uma “chantagem”. Ele comparou a greve ao “sequestro da liberdade de cidadãos”, com cobrança de um “resgate”.

Autoridades do governo estadual não confirmaram o número crescente de mortes violentas, mas a mídia local relatou que mais de 80 pessoas morreram desde sábado.

A maior parte da violência está centrada na região metropolitana de Vitória, onde vivem cerca de dois milhões de pessoas.

Reportagem adicional de Paulo Prada e de Tatiana Ramil

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below