June 26, 2017 / 7:52 PM / in 10 months

Líderes da Câmara adotam cautela na espera por denúncia da PGR contra Temer

Por Maria Carolina Marcello

O presidente brasileiro Michel Temer durante cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília 26/06/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

BRASÍLIA (Reuters) - Líderes da Câmara dos Deputados preferiram o tom de cautela nesta segunda-feira, enquanto aguardam a esperada denúncia a ser oferecida até a terça-feira contra o presidente Michel Temer pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Mesmo entre representantes da oposição, o compasso é de espera e a orientação é aguardar o conteúdo e a consistência das acusações que virão à tona.

“O Democratas aguarda o conteúdo da denúncia e a consistência das provas a seres apresentadas pelo procurador-geral, não adianta trabalhar em cima de hipóteses”, disse o líder do DEM na Casa, deputado Efraim Filho (PB).

“Temos evitado nos precipitar em atitudes que aumentem a instabilidade no Brasil, o qual é maior do que pessoas, do que nomes, do que partidos”, acrescentou.

O líder do PSDB seguiu o mesmo curso, e não quis elaborar comentários sobre a provável denúncia.

“Nós não temos informação sobre que material vai chegar, se a denúncia será única, ou fatiada, se ela é robusta”, explicou, defendendo que ela seja tratada sem “açodamento”, conferindo os prazos regimentais tanto para a acusação quanto para a defesa.

Até mesmo o líder da Minoria na Casa, deputado José Guimarães (CE), adotou um tom cauteloso e preferiu não se manifestar sobre um conteúdo ainda desconhecido.

“Primeiro tem que esperar chegar”, disse à Reuters.

Guimarães já deu indicativos, no entanto, de como a oposição deve se portar: defendeu que os prazos regimentais sejam rigorosamente seguidos.

“Se chegar ( a denúncia) eu concordo que tem que seguir regras regimentais. Nem se atropela para servir ao governo e nem para nós (oposição)”, afirmou. “O Brasil já sangrou, o governo já teve o choque anafilático, já foi para o brejo. Um dia a mais, um dia a menos não vai adiantar, não pode atropelar o regimento.”

Janot deve oferecer denúncia contra Temer até terça-feira, dia em que encerra o prazo legalmente previsto para que Janot faça a acusação formal ao STF ou requeira o arquivamento do caso, que tem por base as delações de executivos da J&F, controladora da JBS.

Uma vez apresentada, a denúncia deve ser encaminhada à Câmara dos Deputados e só tem continuidade se a Casa autorizar seu andamento com o apoio de pelo menos 342 deputados.

Interessa ao governo e a aliados analisar —e rejeitar— rapidamente a denúncia, para retomar a agenda econômica e tocar o plano de imprimir um clima de normalidade no Legislativo.

Governistas reconhecem, inclusive, a possibilidade de não haver recesso parlamentar justamente para evitar a interrupção da análise da denúncia e encerrar este capítulo.

Mas Guimarães lembra que a tentativa de fazer os deputados permanecerem em Brasília durante o recesso pode irritá-los e funcionar como “um tiro no pé”.

A avaliação é que Temer tem entre 250 e 300 votos para barrar a denúncia, isso se não ocorrer nenhum outro fato novo com poder de minar o já fragilizado governo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below