July 28, 2017 / 9:27 PM / a year ago

Moro decide que novo depoimento de Lula será presencial após defesa rejeitar videoconferência

SÃO PAULO (Reuters) - O juiz Sérgio Moro decidiu nesta sexta-feira que o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em um processo relacionado a um terreno que seria destinado ao Instituto Lula será presencial, após a defesa do petista rejeitar a possibilidade aberta pelo juiz de colher o depoimento por videoconferência.

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursa durante protesto em São Paulo 20/07/2017 REUTERS/Paulo Whitaker

“Sugeriu o juízo na ocasião a realização do interrogatório do acusado Luiz Inácio Lula da Silva pelos motivos ali expostos. A defesa não aceitou. Diante da recusa, o interrogatório será presencial”, escreveu Moro em breve despacho anexado ao processo.

O juiz também afirmou que a gravação do depoimento de Lula será feita “da mesma forma que o anterior realizado na ação penal conexa”, se referindo ao interrogatório de Lula na ação que envolve um apartamento tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo, na qual Moro condenou o ex-presidente a nove anos e seis meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, sem determinar que ele fosse preso imediatamente.

Naquela ocasião, Moro proibiu a defesa de Lula de gravar por conta própria o depoimento alegando que o ex-presidente e seus advogados buscavam transformar aquele ato processual em “evento político­-partidário”.

Na petição em que recusou a possibilidade de um depoimento por videoconferência nesta segunda ação penal, a defesa de Lula afirmou que pretendia gravar a audiência em áudio e vídeo, argumentando que essa é uma prerrogativa dos advogados.

O depoimento marcado por Moro para o dia 13 de setembro acontece no âmbito da ação em que Lula é acusado de receber como propina um terreno que seria destinado à construção da sede do Instituto Lula, além de um apartamento vizinho ao que mora em São Bernardo do Campo.

Ao abrir a possibilidade de que a oitiva fosse feita por videoconferência, Moro citou “gastos necessários, mas indesejáveis, de recursos públicos com medidas de segurança” para o depoimento anterior do ex-presidente em Curitiba.

O primeiro depoimento de Lula a Moro em maio foi cercado de expectativa e mobilizou manifestantes a protestar contra e a favor do ex-presidente em Curitiba. Um forte esquema de segurança foi montado para evitar confrontos, com um total de 1,7 mil policiais militares. Após o depoimento, Lula falou a milhares de simpatizantes numa praça no centro da cidade.

Lula nega ter cometido quaisquer irregularidades e seus advogados afirmam que o ex-presidente é alvo de perseguição política promovida por setores do Ministério Público, da Polícia Federal e do Judiciário.

Por Eduardo Simões

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below