14 de Novembro de 2017 / às 15:31 / em 7 dias

Maia diz que Temer se coloca à frente da democracia representativa com excesso de MPs

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça-feira que o presidente Michel Temer acaba se colocando à frente da democracia representativa com o excesso de medidas provisórias editadas pelo Executivo.

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, durante cerimônia em Brasília 05.09/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

Maia, que vem criticando repetidamente o que considera ser um uso exagerado de medidas provisórias, disse que na hora das decisões difíceis, Temer tem optado pelo caminho mais fácil das MPs.

“O que fico preocupado é com essa interferência do Executivo no Legislativo e é muito ruim você ter uma pauta quase toda monopolizada”, disse o deputado no Rio de Janeiro.

“A relação do governo é de muito diálogo, mas na hora da decisão escolhe MP e não sei por que, mas talvez seja a busca por um caminho mais fácil”, acrescentou.

“Todo mundo fica com o caminho mais fácil... A MP tem efeito imediato e (isso) não é bom porque a democracia representativa está na Câmara e quando o governo decide sozinho o presidente se coloca à frente de toda sociedade brasileira... aliás acho até que nem deveria existir MP.”

No mês passado, Maia disse que iria passar a devolver as medidas provisórias enviadas pelo governo que não tivessem caracterizadas sua urgência e relevância, depois de responsabilizar o governo pela falta de quórum para a votação de uma MP. [nL2N1MM0GB]

REFORMA MINISTERIAL

Sobre a reforma ministerial, que o governo anunciou na véspera que será feita e deve ser concluída até meados de dezembro, Maia disse que é preciso esperar para se avaliar os efeitos sobre o Congresso.

“Tem que esperar os próximos movimentos do governo e não sei a sequência que ele vai dar na reforma ministerial para saber” como fica a base governista, disse o presidente da Câmara.

Na segunda-feira, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, pediu demissão do cargo, precipitando a já esperada reforma ministerial.[nL1N1NJ254]

Segundo Maia, seu partido, o DEM, que hoje comando o Ministério da Educação, “não pediu nenhum cargo na reforma”.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below