February 1, 2018 / 4:25 PM / 5 months ago

Marun diz que ainda não há votos para aprovar Previdência e admite possíveis mudanças

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A reforma da Previdência ainda não tem o número de votos necessários para ser aprovada na Câmara dos Deputados, reconheceu nesta quinta-feira o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, que voltou a admitir, no entanto, a possibilidade de mudanças, desde que sejam mantidos o que o governo considera pilares da proposta.

Carlos Marun concede entrevista em Brasília 30/1/2018 REUTERS/Ueslei Marcelino

“Nós ainda não temos os votos necessários e suficientes para esta aprovação. Esta é a notícia ruim e esta é a realidade”, disse Marun em palestra na Associação Comercial do Rio de Janeiro.

Por ser uma Proposta de Emenda à Constituição, a reforma precisa do voto de pelo menos 308 dos 513 deputados para ser aprovada, em dois turnos de votação, antes de seguir para o Senado.

Na terça-feira, Marun disse a jornalistas que o governo tem garantido “cerca de 270” votos. A votação da reforma na Câmara está marcada para a semana de 19 de fevereiro.

No Rio, Marun afirmou que ainda faltam de 40 a 50 votos. Para não correr riscos, o governo tem dito que deseja colocar a PEC em votação com pelo menos 320 votos garantidos.

O ministro voltou a admitir a possibilidade de mudanças na proposta que sejam “consistentes” e que tragam mais apoio à aprovação da reforma.

“Nós temos pilares: idade mínima e um único regime pra todos os brasileiros. Havendo sugestões de aprimoramento que sejam consistentes, que sejam avaliadas pela nossa equipe como consistentes, é possível alguma modificação, desde que os princípios não sejam atingidos.”

Marun disse ainda que a reforma é “inadiável” e que o teto para o crescimento dos gastos públicos, colocado na Constituição durante o governo do presidente Michel Temer, não sobrevive sem a reforma da Previdência. Para o ministro, a não aprovação agora traz riscos muito maiores do que se imagina para o país.

“(A Previdência) é insustentável para a economia brasileira e ela é extremamente injusta, por isso ela precisa ser modificada e isto é inadiável”, disse o ministro.

Reportagem de Maria Clara Pestre

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below