May 4, 2018 / 5:51 PM / 5 months ago

PGR apoia pedido da PF para prorrogar inquérito dos portos por 60 dias

BRASÍLIA (Reuters) - A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, concordou com o pedido feito pela Polícia Federal para prorrogação por 60 dias do inquérito dos portos, que investiga se o presidente Michel Temer cometeu crimes na edição de um decreto ano passado que mudou regras portuárias, afirmou a assessoria de imprensa do órgão à Reuters nesta sexta-feira.

Procuradora-geral da República, Raquel Dodge, durante sessão do STF 02/05/2018 REUTERS/Adriano Machado

A manifestação de Dodge ainda não foi encaminhada ao relator do inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, a quem caberá decidir se aceita ou não dar mais tempo para a conclusão das apurações.

A íntegra da manifestação de Dodge não foi divulgada até o momento. A PF havia requerido mais tempo a fim de se aprofundar nas investigações.

Desde setembro do ano passado, Temer é alvo dessa apuração no STF sob suspeita de ter recebido propina, por meio do então assessor especial, Rodrigo Rocha Loures, para editar um decreto que beneficiou a empresa Rodrimar em alterações legais para a área portuária.

A pedido do MPF e da PF, Barroso autorizou a ampliação do escopo das apurações iniciais. Ele permitiu a quebra de sigilos bancário e fiscal de Temer e de pessoas próximas do presidente. Dois amigos de Temer, o coronel aposentado da Polícia Militar de São Paulo João Baptista Lima Filho e o advogado José Yunes, chegaram a ser presos temporariamente no curso da apuração.

Nesta quinta-feira, uma das filhas do presidente, a psicóloga Maristela Temer, depôs na PF em São Paulo nesse inquérito.

Maristela entrou no radar das investigações depois de surgirem suspeitas de que a reforma da sua casa, na capital paulista, teria sido custeada em dinheiro vivo pelo coronel Lima.

Delatores da J&F, holding que controla a JBS, acusaram o coronel de ser um dos intermediários de Temer no suposto recebimento de vantagens indevidas. As defesas de Temer, de Maristela e do coronel negam irregularidades.

Na semana passada, Temer fez um duro discurso contra a apuração, chamando-a de “perseguição” disfarçada de investigação.

O Palácio do Planalto receia que o presidente seja alvo de uma terceira denúncia da Procuradoria-Geral da República —no ano passado ele conseguiu que a Câmara dos Deputados negasse andamento a outras duas acusações apresentadas pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot.

Reportagem de Ricardo Brito

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below