December 9, 2018 / 7:04 PM / a year ago

Bolsonaro indica ex-secretário de Alckmin para comandar Ministério do Meio Ambiente

SÃO PAULO (Reuters) - O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) indicou neste domingo o advogado Ricardo Salles, ex-secretário do ex-governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB), para ser ministro do Meio Ambiente em seu governo.

Salles foi secretário particular de Alckmin entre 2013 e 2014, é filiado ao partido Novo e também foi Secretário do Meio Ambiente do Estado de São Paulo entre 2016 e meados de 2017.

Ele também é presidente do Movimento Endireita Brasil, um dos muitos grupos de direita contrários ao Partido do Trabalhadores.

O futuro ministro tem pós-graduação pelas Universidades de Coimbra e Lisboa, além de especialização em administração de empresas pelo CEAG-FGV.

A escolha de Salles por Bolsonaro para o Meio Ambiente marca o fim da composição dos membros de seu futuro governo, depois de polêmica em que a equipe de transição chegou a cogitar a integração da pasta com a da Agricultura.

Em comunicado, o grupo ambiental Greenpeace afirmou que a indicação de Salles marca o interesse do novo governo em transformar o ministério do Meio Ambiente em “uma subsede do Ministério da Agricultura”.

“A escolha do novo ministro segue esta lógica. A principal função do novo ministro será a promoção de uma verdadeira agenda antiambiental, colocando em prática medidas que vão resultar na explosão do desmatamento na Amazônia e na diminuição do combate ao crime ambiental. O que já está ruim, pode piorar”, afirmou o coordenador de políticas públicas do Greenpeace no Brasil, Márcio Astrini, no comunicado.

A indicação de Salles também ocorre em um momento em que o Brasil desistiu de sediar a próxima COP-25, a Conferência das Partes sobre mudanças climáticas, prevista para novembro de 2019.

Bolsonaro, disse na ocasião do cancelamento, em 28 de novembro, que havia recomendado ao futuro chanceler do país, Ernesto Araújo, que rejeita evidências científicas sobre o aquecimento global, para evitar a realização do evento no Brasil.

Por seu lado, o Observatório do Clima, grupo criado em 2002 que reúne várias entidades do Brasil que discutem as mudanças climáticas, afirmou em comunicado que a estratégia de Bolsonaro com a indicação de Salles “contorna o desgaste que poderia ter com a extinção formal da pasta (Ministério do Meio Ambiente), por outro garante que o MMA deixará de ser, pela primeira vez desde sua criação, em 1992, uma estrutura independente. Seu ministro será um ajudante de ordens da ministra da Agricultura”.

“O ruralismo ideológico, assim, compromete o agronegócio moderno – que vai pagar o preço quando mercados se fecharem para nossas commodities”, acrescentou o grupo.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below