December 18, 2018 / 5:23 PM / 4 months ago

Flávio Bolsonaro sugere que caso de ex-assessor pode ser para atingir presidente eleito

Flávio Bolsonaro atrás do pai, Jair Bolsonaro, em Brasília 27/11/2018 REUTERS/Adriano Machado

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) sugeriu nesta terça-feira que o vazamento de informações sobre movimentações financeiras suspeitas de um ex-assessor parlamentar dele seria uma tentativa de atingir e desestabilizar o futuro governo de seu pai, o presidente eleito Jair Bolsonaro.

“Muitas coisas estão mal explicadas nesse processo todo. Por que só o sigilo bancário dele veio a público? Como é que pode? Quebraram o sigilo do cara e veio a público só o dele? Tem um monte de gente lá nessa situação também, similar. Será que é só para me atingir? Será que é só para atingir o presidente eleito, para causar uma desestabilização já no início do mandato dele?”, disse Flávio Bolsonaro a jornalistas após cerimônia de diplomação dos parlamentares eleitos pelo Rio de Janeiro.

Flávio Bolsonaro disse que conversou recentemente com o ex-assessor Fabrício Queiroz, que movimentou de forma suspeita 1,2 milhão de reais entre 2016 e 2017, de acordo com relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

O ex-assessor, que deve prestar depoimento ao Ministério Público ainda nesta semana sobre a origem do dinheiro, informou a Flávio Bolsonaro que movimentou recursos de família no período apontado pelo Coaf, de acordo com o parlamentar.

Flávio Bolsonaro disse que “não tem a senha” do ex-assessor para controlar a movimentação pessoal de recursos dele, e que está “apanhando há dias” sem motivo.

Questionado se o vazamento do relatório do Coaf e o interesse no caso do ex-assessor teriam como objetivo atingir e desestabilizar o pai e o futuro governo, o deputado afirmou: “Não tenho a menor dúvida”.

“Se alguém ainda tem dúvida disso, não está sabendo ler nas entrelinhas”, acrescentou.

Nas movimentações de Fabrício Queiroz constam depósitos à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro. O presidente eleito justificou os depósitos afirmando que eram pagamentos de um empréstimo que havia feito a Queiroz. Bolsonaro já disse que se tiver errado por não ter registrado a operação na declaração do Imposto de Renda irá reparar o erro.

Por Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below