March 12, 2019 / 10:57 AM / 9 months ago

Polícia prende PM reformado e ex-PM por suspeita de assassinato de Marielle

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um policial militar reformado e um ex-policial militar foram presos, nesta terça-feira, por suspeita de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, às vésperas de o crime completar um ano, informaram a polícia e o Ministério Público do Rio de Janeiro.

Delegado Giniton Lages durante entrevista coletiva sobre prisões de suspeitos de assassinato de Marielle Franco 12/03/2019 REUTERS/Sergio Moraes

A primeira fase da investigação que resultou nas prisões desta terça ainda não deixou claro o motivo para o crime e se foi uma ação encomendada. A segunda fase das investigações já começou nesta terça com o cumprimento de mais de 30 mandados de buscas e apreensões.

“Estamos entregando a primeira fase com quem ocupou o veículo, quem dirigiu e quem atirou em Marielle e Anderson, mas ainda há respostas a alcançar”, disse a jornalistas o delegado responsável pelas investigações, Giniton Lages.

“Foi um crime praticamente perfeito, sofisticado e que exigiu muita dedicação ... a solução desse crime é um recado para as pessoas que esse tipo de crime não pode se repetir”, acrescentou.

A operação para prender os suspeitos do crime foi deflagrada nas primeiras horas do dia pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, e cumpriu mandados na casa de um dos policiais presos no mesmo condomínio onde o presidente Jair Bolsonaro tem casa, na zona oeste do Rio de Janeiro, segundo as autoridades.

Ao chegar ao Itamaraty para um almoço com o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, Bolsonaro disse a jornalistas que só conheceu sobre Marielle após a morte da então vereadora e afirmou que também está interessado em saber quem foi o mandante do assassinato.

O secretário da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Marcus Vinícius Braga, afirmou que, com as prisões, os investigadores se aproximam de solucionar o crime.

“Foram presos dois policiais com participação direta e efetiva no crime”, disse ele à Reuters. “Com essas prisões ficamos perto da solução do crime”, acrescentou.

Os suspeitos presos foram identificados como Ronnie Lessa e Élcio Vieira de Queiroz. Não foi possível contactar representantes dos suspeitos de imediato.

De acordo com as investigações, Lessa foi o autor dos disparos de arma de fogo contra Marielle e Anderson, enquanto Queiroz seria o condutor do veículo utilizado para a execução. Lessa é policial militar reformado, enquanto Queiroz foi policial militar, tendo sido expulso da corporação.

Marielle e Anderson foram assassinatos em uma emboscada em 14 de março do ano passado no bairro do Estácio, na zona norte do Rio.

O assassinato da então vereadora, que denunciava abusos cometidos por policiais militares, aconteceu quando ela voltava de um evento e o carro em que estava foi atingido por diversos tiros.

O crime chamou atenção de entidades internacionais de defesa dos direitos humanos, que têm cobrado das autoridades brasileiras uma solução para o caso.

Giniton Lages afirmou que a segunda fase das investigações deve buscar respostas para perguntas sobre o crime que ainda estão sem reposta: por que Marielle foi morta e se os criminosos agiram sob encomenda.

“Ele tinha uma obsessão por pessoas com posições políticas diferentes da dele”, declarou Lages. “A segunda fase das investigações está em curso e nada do que foi dito até agora pode ser desconsiderado... o caso ainda está em aberto”, completou.

GOVERNADOR ESPERA DELAÇÃO

Antes das prisões desta terça, uma das linhas de investigação apontava que o assassinato de Marielle teria sido encomendado por milicianos incomodados com a atuação da vereadora no combate à especulação imobiliária na zona oeste. Um vereador do Rio chegou a ter seu nome ligado ao crime. Outra linha apontava para possibilidade de políticos do Estado terem arquitetado o crime para atingir um parlamentar do partido de Marielle.

O governador Wilson Witzel (PSC) disse esperar que os presos possam contribuir com a investigações com um acordo de delação premiada.

“Isso já foi consagrada pela Lava Jato”, lembrou ele. “Demos uma resposta importante à sociedade sobre um crime bárbaro contra uma parlamentar no desempenho de sua atividade, que teve a sua vida ceifada de forma criminosa, odienta e inaceitável”, acrescentou.

A denúncia apresentada pelo Ministério Público estadual contra os suspeitos presos nesta terça afirma que “é inconteste” que Marielle foi “sumariamente executada em razão da atuação política na defesa das causas que defendia”.

Reportagem adicional de Lisandra Paraguassu, em Brasília

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below