November 2, 2019 / 6:15 PM / 19 days ago

Madeireiros ilegais matam líder indígena da Amazônia que guardava a floresta

BRASÍLIA (Reuters) - Madeireiros ilegais na Amazônia emboscaram um grupo indígena formado para proteger a floresta e mataram a tiros um jovem guerreiro e feriram outro, disseram neste sábado líderes da tribo Guajajara no norte do Brasil.

Paulo Paulino Guajajara, ou Lobo, estava caçando na sexta-feira dentro da reserva de Arariboia, no Maranhão, quando foi atacado e baleado na cabeça. Outro Guajajara, Laercio, foi ferido, mas escapou, eles disseram.

O confronto ocorre em meio a um aumento nas invasões de reservas de madeireiros e mineiros ilegais desde que o presidente de direita Jair Bolsonaro assumiu o cargo este ano e prometeu abrir terras indígenas protegidas para o desenvolvimento econômico.

“O governo Bolsonaro tem sangue indígena em suas mãos”, disse a organização pan-indígena brasileira APIB, que representa muitos dos 900.000 habitantes do país, em comunicado no sábado.

“O aumento da violência em territórios indígenas é resultado direto de seus discursos odiosos e medidas tomadas contra nosso povo”, afirmou a APIB.

A líder da APIB, Sonia Guajajara, disse que o governo está desmantelando agências ambientais e indígenas e deixando tribos para se defender da invasão de suas terras.

“É hora de dizer basta sobre este genocídio institucionalizado”, disse ela em um post no Twitter.

A Polícia Federal disse que enviou uma equipe para investigar as circunstâncias da morte de Paulino Guajajara. A APIB disse que o corpo dele ainda estava deitado na floresta onde ele foi morto.

Os Guajajaras, um dos maiores grupos indígenas do Brasil, com cerca de 20 mil habitantes, criaram os Guardiões da Floresta para patrulhar uma vasta reserva. A área é tão grande que uma tribo pequena e ameaçada de extinção, os Awá Guajá, vive nas profundezas da floresta sem nenhum contato com o mundo exterior.

Paulino Guajajara, que estava na casa dos vinte anos e deixa um filho, disse à Reuters em entrevista na reserva em setembro que proteger a floresta dos intrusos havia se tornado uma tarefa perigosa, mas seu povo não podia ceder ao medo.

“Às vezes, tenho medo, mas temos que levantar a cabeça e agir. Estamos aqui lutando”, disse ele, enquanto ele e outros guerreiros se preparavam para atravessar a floresta em direção a um campo de corte de madeira.

“Estamos protegendo nossa terra e a vida nela, os animais, os pássaros e até os Awá que também estão aqui”, disse Paulino Guajajara na época. “Há tanta destruição da natureza acontecendo, boas árvores com madeira tão dura quanto aço sendo cortadas e levadas”.

“Temos que preservar esta vida para o futuro dos nossos filhos”, disse ele.

Reportagem de Anthony Boadle e Leo Benassatto

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below