November 18, 2019 / 10:07 PM / 24 days ago

STF abre inquérito para apurar compra de apoio político em eleição de Cunha à presidência da Câmara

Ex-deputado Eduardo Cunha é escoltado por agentes da Polícia Federal 01/11/2016 REUTERS/Rodolfo Buhrer

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), abriu inquérito para investigar se houve compra de apoio político para a eleição do então deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) para presidente da Câmara dos Deputados, a partir da delação premiada feita pelo executivo do grupo J&F Ricardo Saud.

A suspeita é que Joesley Batista, também ex-executivo do grupo, tenha incumbido Ricardo Saud de persuadir congressistas de que a eleição de Cunha seria o melhor para fazer um contraponto à então presidente Dilma Rousseff em seu segundo mandato. Para tanto, segundo a delação, Joesley autorizou repasses indevidos de 30 milhões de reais.

O esquema, segundo a delação de Saud, teria sido viabilizado por “doações oficiais, entregas em espécie e emissão de notas fiscais sem lastro”.

Eleito presidente da Câmara no início de 2015, Cunha foi um dos principais artífices do impeachment de Dilma, ao autorizar a abertura do pedido de impedimento em dezembro daquele ano.

Acossado por denúncias de corrupção por investigações da operação Lava Jato, ele renunciou ao comando da Câmara, mas posteriormente teve o mandato cassado. Foi depois preso preventivamente e condenado pela operação.

Reportagem de Ricardo Brito

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below