February 12, 2020 / 10:08 PM / 12 days ago

Guedes diz que dívida bruta/PIB voltará a cair em 2020, reitera visão para real mais fraco

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira que a dívida bruta em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) voltará a cair em 2020 após recuo em 2019 e pontuou que, com os juros básicos mais baixos, a economia com o pagamento de juros da dívida pública será de 120 bilhões de reais este ano.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, em coletiva de imprensa em Brasília. 05/11/2019. REUTERS/Adriano Machado

“Dívida já caiu ano passado, logo no primeiro ano (de governo) quebramos essa dinâmica. Ideia que Brasil estava se endividando em bola de neve trincou. Vamos fazer cair de novo este ano”, afirmou ele, em evento em Brasília.

Em 2019, a dívida ficou em 75,8% do PIB, abaixo do nível de 76,5% em 2018, na esteira da venda de reservas pelo Banco Central e da antecipação de pagamentos pelo BNDES ao Tesouro.

Guedes afirmou que o BNDES vai mandar à União “bastante dinheiro” em 2020, mas não especificou o montante que será devolvido.

O ministro também reforçou que o país mudou seu modelo, abandonando o de “juro na lua e câmbio baixo, desindustrializando o Brasil”, na linha de comentários recentes sobre o dólar mais alto ser um novo normal.

“Por exemplo, câmbio a 1,8 (real por dólar), e juros a 14%. Vamos fazer o contrário? Bota juros a 4% e o câmbio a 4 (reais) também. É melhor 4 a 4 do que 1,8 (real) com juros de 14%”, disse.

“Não estamos fazendo nada, só estamos fazendo a política direitinho. O juro é um pouco mais baixo, o que é bom para todo mundo. Vamos investir, consumir mais e, ao mesmo tempo, um câmbio um pouquinho mais alto, o que é bom para todo mundo. Mais exportação, mais substituições de importações. Inclusive, em setores muito intensivos em mão de obra, como turismo”, completou ele.

Guedes chegou a dizer que, num quadro de dólar a 1,80 real, as exportações caíam, mas o país tinha “todo mundo indo para Disneylândia, empregada doméstica indo para Disneylândia”.

No mesmo discurso, o ministro afirmou que, ao dar o exemplo da empregada doméstica, ele quis dizer que a taxa de câmbio estava tão valorizada (real fortalecido) que todo mundo estava indo para Disneylândia, até classes sociais mais baixas.

“Todo mundo tem que ir para Disneylândia conhecer Walt Disney. Mas não ir três, quatro vezes ao ano, até porque com o dólar a 1,8 (real) tinha gente indo três vezes ao ano. Vai aqui para Foz do Iguaçu, Chapada da Diamantina, conhece um pouco do Brasil, conhece a selva amazônica e, da quarta vez, conhece a Disneylândia. Então é só isso que digo. Mudamos o mix.”

As declarações de Guedes sobre câmbio foram feitos com o mercado de dólar à vista já fechado. A cotação voltou a subir e fechou em nova máxima histórica nominal nesta quarta-feira, acima de 4,35 reais na venda. A moeda norte-americana se apreciou nas últimas ocasiões em que Guedes fez comentários sobre o câmbio.

REFORMA ADMINISTRATIVA

Após polêmica protagonizada na semana passada, quando comparou funcionários públicos com parasitas, o ministro reafirmou que, quando usou o termo, na verdade se referia ao Estado brasileiro, e não aos servidores.

“Quando os gastos com funcionalismo devoram 95%, 100% da receita, o Estado está virando parasitário. Não é o funcionário público, é o Estado”, afirmou.

O ministro não deu detalhes sobre o envio da reforma administrativa, limitando-se a reiterar que ela não mexerá em direitos adquiridos nem tampouco em salários. A ideia, segundo Guedes, é que a reforma mude critérios de estabilidade para os novos servidores e estabeleça um número de carreiras mais enxuto no quadro público.

Falando sobre as reformas de maneira geral, o ministro afirmou que a equipe econômica tem o diagnóstico traçado do que é necessário.

“É muito difícil de fazer, mas vamos fazer, vamos pelo menos tentar”, disse. “Temos bússola, vamos seguir nessa direção, não vamos recuar e nem nos render. Bater no muro a gente bate, mas não vamos recuar”, acrescentou.

Mais cedo, o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, disse que o governo está avaliando o melhor “timing político” para envio da reforma administrativa.

Os comentários foram feitos após notícias de que o governo teria desistido de apresentar texto próprio para a reforma.

Na véspera, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), afirmou que está mantida a intenção do Executivo de enviar ao Congresso uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) sobre o tema.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below