for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Operação coordenada pelo Ministério da Justiça combate pedofilia em 12 Estados e prende dezenas

Viatura da Polícia Federal no Rio de Janeiro 28/07/2015 REUTERS/Sergio Moraes

BRASÍLIA (Reuters) - Uma operação com o objetivo de identificar autores de abuso e exploração sexual infantil, coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, foi deflagrada nesta terça-feira com o envolvimento das policias civis de 12 Estados e ainda autoridades de países como Colômbia, Estados Unidos, Paraguai e Panamá, informou a pasta em nota.

No Brasil a operação Luz na Infância 6 ocorre em Alagoas, Acre, Ceará, Rio de Janeiro, Goiás, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí e Santa Catarina. Ao todo, segundo a pasta, seriam cumpridos, no Brasil e nos quatro países, 112 mandados de busca e apreensão de arquivos com conteúdo relacionado aos crimes de exploração sexual praticados contra crianças e adolescentes.

Conforme números divulgados às 17h30 desta terça, houve 43 prisões em flagrante: 19 em São Paulo; 9 em Santa Catarina, 6 no Paraná, 4 em Mato Grosso do Sul, 2 no Ceará, 1 no Rio Grande do Sul, 1 em Mato Grosso e 1 em Goiás. Houve também alvos em Alagoas, Acre e Piauí.

Ao todo, segundo o ministério, 579 policiais estavam atuando nas diligências. O balanço final será divulgado na quarta-feira, com dados dos demais países participantes da ação.

A Operação Luz na Infância 6 conta com a colaboração da embaixada dos Estados Unidos no Brasil, por meio da Adidância da Polícia de Imigração e Alfândega em Brasília.

No Brasil, segundo o ministério, a pena para quem armazena conteúdo de pedofilia varia de 1 a 4 anos de prisão, de 3 a 6 anos pelo compartilhamento e de 4 a 8 anos de prisão pela produção de conteúdo relacionado aos crimes de exploração sexual.

A operação Luz na Infância, que está na sexta fase, vem ocorrendo desde outubro de 2017 com o cumprimento de mandados de busca e apreensão e prisões em unidades da Federação do Brasil e também no exterior.

Edição de Alexandre Caverni

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up