February 20, 2020 / 12:57 PM / 6 months ago

Preços de vestuário e alimentos caem e IPCA-15 tem menor fevereiro desde 1994

SÃO PAULO (Reuters) - A prévia da inflação oficial brasileira permaneceu em desaceleração e atingiu o menor nível para fevereiro desde o início do Plano Real, com quedas nos preços de vestuário, cuidados pessoais e alimentos.

Consumidores compram carne em supermercado do Rio de Janeiro 28/07/2018 REUTERS/Sergio Moraes

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) desacelerou a alta a 0,22% em fevereiro depois de subir 0,71% no mês anterior, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira.

Esse é o resultado mais baixo para um de fevereiro desde o início do Plano Real, em 1994.

Em 12 meses até fevereiro, o IPCA-15 acumulou avanço de 4,21%, contra 4,34% até janeiro, ficando ainda mais próximo do centro meta de inflação para este ano, de 4% com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, medida pelo IPCA.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de altas de 0,24% no mês e 4,23% em 12 meses, na mediana das projeções.

Esta é a primeira divulgação do IPCA-15 com a nova estrutura de ponderação, considerando os resultados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) de 2017-2018.

No mês, três grupos apresentaram deflação e tiveram impactos negativos. Os preços de Vestuário tiveram queda de 0,83%, enquanto os de Saúde e cuidados pessoais recuaram 0,29%.

O grupo Alimentação e bebidas, com importante peso sobre o bolso dos consumidores, também apresentou variação negativa, de 0,10% em fevereiro. O resultado se deve principalmente à queda de 5,04% no preço das carnes.

Por outro lado, Educação teve a maior alta no mês, de 3,61%, em movimento sazonal somente os cursos regulares subiram 4,36%.

Por sua vez, os Transportes subiram 0,20% mas ainda assim mostraram desaceleração sobre a alta de 0,92% em janeiro, porque o avanço dos preços de combustíveis enfraqueceu a 0,49% em fevereiro de 2,96% em janeiro.

Na semana passada, depois de reduzir a taxa básica de juros Selic à mínima histórica de 4,25%, o Banco Central indicou divergência entre os membros sobre o nível de ociosidade na economia. Também apontou que, diante de “múltiplas incertezas” envolvendo este e outros fatores, quer ter melhor compreensão do cenário para definir os próximos passos para os juros básicos.[nL1N2AB08L]

O BC afirmou ainda que há dicotomia na recuperação econômica do Brasil, com melhora no mercado de trabalho, mas com produção industrial e indicadores preliminares de investimento abaixo do esperado.

Um ponto de atenção, entretanto, é o câmbio, uma vez que o dólar vem batendo sucessivos recordes ante o real. O presidente do BC, Roberto Campos Neto, afirmou que a autoridade monetária está tranquila sobre o tema, mas que pode fazer intervenções em caso de problemas de liquidez ou se for identificado movimento “exagerado” no mercado cambial.[nL1N2AI1I1]

Veja detalhes na variação mensal (%):

Grupo Janeiro Fevereiro

Índice Geral +0,71 +0,22

Alimentação e Bebidas +1,83 -0,10

Habitação -0,14 +0,07

Artigos de Residência -0,01 +0,17

Vestuário +0,10 -0,83

Transportes +0,92 +0,20

Saúde e Cuidados Pessoais +0,35 -0,29

Despesas Pessoais +0,47 +0,31

Educação +0,23 +3,61

Comunicação +0,02 +0,02

Por Camila Moreira; Edição de Maria Pia Palermo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below