for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Governo de SP vai decretar estado de calamidade para acelerar combate a coronavírus

Goverador de São Paulo, João Doria. 10/1/2019. REUTERS/Adriano Machado

SÃO PAULO (Reuters) - O governo de São Paulo assinou decreto para colocar em vigor estado de calamidade pública, medida justificada pelo governador João Doria para acelerar os ritos de compras de insumos e medidas consideradas necessárias para o enfrentamento da epidemia de Covid-19.

“O decreto está assinado e será publicado amanhã. Não é para alarmar a população...o decreto simplifica processo de compras, dando mais agilidade ao governo”, afirmou Doria a jornalistas nesta sexta-feira.

Segundo representantes do governo estadual, São Paulo tem 286 casos confirmados do novo coronavírus e cinco mortos. Há ainda cerca 7,7 mil casos suspeitos. Os casos graves, com internação em unidade de tratamento intensivo somam 24, todos em hospitais particulares.

O infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência de Coronavírus de São Paulo, disse que o pico de casos da doença no Estado deve acontecer entre abril e maio.

O governo paulista, em parceria com a prefeitura da capital, também anunciou o fechamento parques estaduais e municipais a partir deste final de semana até o fim de abril. Além disso, todos os serviços públicos não essenciais serão suspensos a partir de segunda-feira, até 30 de abril.

Questionado se o governo pretende decretar medidas como toque de recolher, Doria afirmou que o governo “vai adotar as medidas corretas no momento correto”.

Já Uip afirmou que o objetivo das ações tomadas até agora é reduzir a curva de contaminação para diminuí-la antes do atingimento do pico previsto. “Estamos tentando retardar a curva e se faz isso com restrição de caminhos das pessoas. Entendo que com as medidas tomadas pelo prefeito (de São Paulo, Bruno Covas) e pelo governador isso vai ser conseguido.”

Doria também afirmou que o governo estadual não estuda no momento o fechamento do sistema rodoviário Anchieta-Imigrantes, operado pela concessionária Ecorodovias. Várias cidades no litoral paulista proibiram acesso a suas praias como medidas para evitar a propagação do coronavírus.

Por Alberto Alerigi Jr.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up