for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up

Governo estabelece postos e restaurantes a caminhoneiros como essenciais para logística

SÃO PAULO (Reuters) - Portaria publicada pelo Ministério da Agricultura nesta sexta-feira considera postos de combustíveis e restaurantes em estradas como estruturas essenciais para permitir o transporte de alimentos e insumos agrícolas em tempos de coronavírus.

Caminhoneiros durante refeição em restaurante às margens da SP-304, em Borborema (SP) 19/09/2012 REUTERS/Nacho Doce

A medida, que visa garantir o funcionamento de tais estabelecimentos, foi publicada diante de reclamações de que muitos caminhoneiros estavam deixando de trabalhar ou enfrentando dificuldades para se alimentar, ou mesmo para obter serviços básicos, como borracharias, diante das medidas restritivas para combater o Covid-19.

Lojas de conveniência, locais para pouso e higiene, “com infraestrutura mínima para caminhoneiros e para o tráfego de caminhões ao longo de estradas e rodovias de todo o país” também foram considerados serviços essenciais.

A determinação do ministério ainda considera como essenciais portos, entrepostos, ferrovias e rodovias, municipais, estaduais e federais, para escoamento e distribuição de alimentos, bebidas e insumos agropecuários.

Em reunião com secretários estaduais na véspera, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, havia pedido a colaboração dos Estados para garantir o abastecimento de alimentos e a manutenção dos serviços essenciais, para que a cadeia produtiva funcione durante a crise do coronavírus.

Ela havia adiantado que seria publicada tal portaria, que também considera essenciais à cadeia produtiva o transporte coletivo ou individual de funcionários destinados às atividades do agronegócio; transporte e entrega de cargas em geral; produção, distribuição e comercialização de combustíveis e derivados.

Segundo a portaria, também são essenciais estabelecimentos de beneficiamento e processamento de produtos agropecuários; estabelecimentos para produção de insumos (fertilizantes, defensivos, sementes e mudas, suplementação e saúde animal, rações e suas matérias primas), além de estabelecimentos para fabricação e comercialização de máquinas, implementos agrícolas e peças de reposições.

A determinação vem após, nesta semana, alguns municípios terem determinado restrições a operações da agroindústria, como Rondonópolis e Canarana, ambos em Mato Grosso, apesar de o setor de alimentos ter sido considerado essencial, em uma medida anterior do governo federal.

“A portaria do Ministério da Agricultura é uma resposta do governo federal a decretos municipais como o de Rondonópolis e Canarana, que potencialmente impediriam a produção de alimentos e o escoamento da safra brasileira”, disse o sócio do escritório Mattos Engelberg Advogados Frederico Favacho.

SOJA E TRIGO

Ao ser questionado sobre eventuais problemas relacionados ao transporte de soja, o presidente da Aprosoja Brasil, Bartolomeu Braz Pereira, disse que o movimento está relativamente normal, com o setor trabalhando para colher cerca de 30% da safra nacional que ainda está no campo e embarcando para os portos, sem interrupções.

“Não tem nada impactando, não, as regiões estão colhendo, os armazéns estão abertos, recebendo soja. Ainda entra no mês de abril colhendo, não tem nada impactante, as negociações estão sendo liquidadas”, declarou o dirigente da associação nacional de agricultores.

Ele mencionou alguns problemas locais, como foi o caso de Rondonópolis e Canarana, mas disse que a associação está entrando em contado com governos, pedindo a reabertura de serviços considerados essenciais.

“Tivemos problema em alguns municípios, alguns fecharam, outros governadores interromperam serviços, como oficinas de insumos, algumas coisas assim aconteceram, mais estamos pedindo que retornem, ou vamos entrar com pedidos judiciais.”

Se isso pode ter causado alguma redução no fluxo, ele espera que a partir de agora a situação melhore, com a nova determinação do governo federal.

As medidas são implementadas, ainda, após a indústria do trigo ter reportado problemas para a entrega de farinha aos clientes em alguns Estados, devido à descoordenação entre ações federais, estaduais e municipais de combate ao coronavírus, o que criou gargalos para o transporte de mercadorias.

“A medida tomada pelo Ministério da Agricultura é muito importante, oportuna, e chegou na hora em que alguns setores essenciais para a vida, como o setor de alimentos, a cadeia do trigo, estavam sentindo problemas”, disse o presidente da Associação Brasileira da Indústria do Trigo (Abitrigo), embaixador Rubens Barbosa.

“Esperamos apenas que as autoridades federais, estaduais e municipais tomem conhecimento e cumpram o que está na portaria, permitindo o livre trânsito de produtos”, acrescentou ele.

Em meio a medidas restritivas para combater o vírus, a associação de empresas de transporte NTC&Logística publicou pesquisa na quinta-feira apontando queda de 26% no transporte de cargas gerais, indicando também que a logística da soja recém-colhida tem visto menos problemas.

Veja a íntegra da portaria aqui: here

Reportagem adicional da Ana Mano

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up