April 18, 2020 / 12:21 AM / 4 months ago

Polícia do Rio investiga suspeitas de irregularidades na construção de hospitais de campanha

Hospital de campanha em contrução junto ao Maracanã, no Rio de Janeiro 02/04/2020 REUTERS/Lucas Landau

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A polícia do Rio de Janeiro vai investigar suspeitas de irregularidades na contratação de empresas para a construção de hospitais de campanha para atender pacientes com Covid-19 no Estado, informou o governo do Rio de Janeiro.

As suspeitas envolvem a contratação de alguns dos oito hospitais de campanha que estão sendo construídos para atender pacientes com a doença.

“Repudio qualquer ato ilícito que venha causar danos aos cofres públicos, principalmente neste momento difícil, em que a saúde das pessoas está em risco” , disse em nota o governador do Rio, Wilson WItzel (PSC), que está com a Covid-19 e se encontra de quarentena.

“Já determinei que investiguem esses contratos e, caso seja comprovada qualquer irregularidade, os responsáveis serão imediatamente punidos”, acrescentou.

Em entrevista à Reuters, o secretário de Saúde do Estado, Edmar Santos, que também está em casa se tratando de coronavírus, afirmou que a denúncia já virou caso de polícia e auditorias internas da pasta e dos órgãos de controle, como MP, Procuradoria do Estado e TCE, vão ajudar nas apurações dos fatos.

“O governador pediu que a polícia civil investigue todas as denúncias. Não posso prejulgar pessoas; vai ter auditoria e apurar e vamos tomar conduta para cada um dos casos”, disse. “Vamos ver se é algo de dentro ou de fora... se tem algo a mais.”

Os hospitais de campanha do Estado foram idealizados para ampliar a oferta em 1.800 leitos para pacientes com Covid-19. Os mais adiantados são os do Leblon e do Maracanã , com a perspectiva de ficarem prontos na virada de abril para maio. Os demais, do grande Rio e da Baixada, estão planejados para o próximo mês e os do interior um pouco mais para frente.

O Estado já tem 341 mortes e mais de 4 mil casos confirmados da doença. Santos espera que se alguma irregularidade for confirmada, ela não comprometa a entrega dos hospitais temporários.

“Caso haja algum problema, a ninguém interessa o prejuízo da população, isso não faz sentido. Os órgãos vão ter que buscar uma transição que corrija o eventual problema administrativo sem comprometer o atendimento a população”, disse o secretário de Saúde.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below