April 20, 2020 / 11:05 AM / 4 months ago

País tem de combater vírus do autoritarismo, diz Maia após Bolsonaro ir a ato a favor de intervenção militar

(Reuters) - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou na noite de domingo que além do coronavírus, o país precisa combater o vírus do autoritarismo e que não há tempo a perder com “retóricas golpistas”, após o presidente Jair Bolsonaro discursar no domingo em um ato em frente ao quartel-general do Exército que pediu intervenção militar no país.

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia 22/05/2019 REUTERS/Adriano Machado

“O mundo inteiro está unido contra o coronavírus. No Brasil, temos de lutar contra o corona e o vírus do autoritarismo. É mais trabalhoso, mas venceremos. Em nome da Câmara dos Deputados, repudio todo e qualquer ato que defenda a ditadura, atentando contra a Constituição”, escreveu Maia no Twitter.

“Não temos tempo a perder com retóricas golpistas. É urgente continuar ajudando os mais pobres, os que estão doentes esperando tratamento em UTIs e trabalhar para manter os empregos. Não há caminho fora da democracia.”

No domingo, Bolsonaro discursou em cima da caçamba de uma caminhonete para um grupo de pessoas que se aglomerou, desrespeitando as orientações de isolamento social para conter a propagação do coronavírus. Por vários momentos o presidente interrompeu a fala para tossir.

Os manifestantes carregavam faixas contra Maia, que se tornou alvo de Bolsonaro na semana passada, contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF) e a favor de uma intervenção militar no país e de um novo Ato Institucional número 5 (AI-5), editado durante a ditadura militar e que marcou o endurecimento do regime com o fechamento do Congresso e a cassação de mandatos, por exemplo.

Governadores de 20 Estados também divulgaram uma “carta aberta à sociedade em defesa da democracia” em que manifestam apoio a Maia e ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

“Não julgamos haver conflitos inconciliáveis entre a salvaguarda da saúde da população e a proteção da economia nacional, ainda que os momentos para agir mais diretamente em defesa de uma e de outra possam ser distintos”, afirma a carta.

“Consideramos fundamental superar nossas eventuais diferenças através do esforço do diálogo democrático e desprovido de vaidades. A saúde e a vida do povo brasileiro devem estar muito acima de interesses políticos, em especial nesse momento de crise.”

A manifestação a favor de uma intervenção militar foi criticada pelos ministros do STF Luís Roberto Barroso, que classificou o protesto de “assustador”, e Gilmar Mendes, que disse: “invocar o AI-5 e a volta da ditadura é rasgar o compromisso com a Constituição e com a ordem democrática”.

Em nota, o procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras, reiterou discurso que fez em solenidade do Ministério Público Federal na sexta-feira, no qual renovou “o compromisso do Ministério Público brasileiro de velar, em todas as unidades da Federação e por meio de todos os seus ramos, pela ordem jurídica que sustenta o regime democrático, nos termos da Constituição Federal”.

Por Eduardo Simões, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below