for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Secretário na linha de frente contra Covid-19 diz que Teich decidiu mantê-lo no cargo

Secretário nacional de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira 08/04/2020 REUTERS/Adriano Machado

(Reuters) - O secretário nacional de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, uma das principais autoridades no combate à pandemia de coronavírus no Brasil, afirmou nesta terça-feira que o ministro Nelson Teich decidiu mantê-lo no cargo, em meio a especulações sobre uma possível substituição por decisão política do presidente Jair Bolsonaro.

A saída de Wanderson era dada como certa depois que Teich assumiu o cargo de ministro da Saúde no mês passado no lugar de Luiz Henrique Mandetta, uma vez que o secretário já tinha colocado o posto à disposição. Nas últimas semanas, especulou-se que o cargo poderia ser oferecido por Bolsonaro ao centrão como forma de angariar apoio no Congresso.

Questionado em entrevista coletiva sobre as notícias a esse respeito, o secretário anunciou que permanecerá no comando da secretaria, que é responsável pela linha de frente do enfrentamento à Covid-19, ao menos por enquanto.

“O ministro Nelson solicitou que eu permaneça na Secretaria de Vigilância em Saúde”, afirmou. “A duração fica a critério do ministro, e a autorização foi dada também pelo presidente Bolsonaro.”

Wanderson ressaltou que o cargo que ocupa implica em “alguns conhecimentos técnicos que são fundamentais”, mas se colocou à disposição para permanecer no governo mesmo que em outra posição.

“Estarei à disposição do ministro Nelson enquanto ele julgar necessário, independentemente do cargo”, afirmou. “Não tenho apego ao cargo, mas é uma decisão do ministro de Estado da Saúde.”

Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro; Edição de Maria Pia Palermo

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up