for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

No Rio, Teich defende união de forças no combate ao coronavírus

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou nesta sexta-feira que é preciso unir forças para combater o avanço da epidemia do coronavírus no Rio de Janeiro.

O ministro da Saúde, Nelson Teich, participa de coletiva de imprensa no Palácio do Planalto. 16/04/2020. REUTERS/Adriano Machado.

Teich visitou o hospital de campanha da prefeitura, no Riocentro, um dos únicos que estão prontos para pacientes com Covid-19 em funcionamento no Estado.

Depois do encontro, que durou cerca de duas horas, o ministro não respondeu a perguntas de jornalistas, e, mesmo diante do agravamento da pandemia, preferiu um rápido pronunciamento.

Teich disse que veio ao Rio para uma agenda de trabalho e para conhecer de perto a estrutura disponível do Estado para combater a doença.

“A ideia é conhecer o lugar, ver o que está sendo feito, ver os recursos... conversar e ouvir as partes federal, estadual e municipal e enxergar a melhor forma de unir as forças“, disse ele no rápido pronunciamento.

A declaração de Teich sobre união de forças ocorre em meio a seguidas críticas pelo presidente Jair Bolsonaro contra os governadores e prefeitos que adotaram as medidas mais duras de isolamento social.

O ministro da Saúde, na sua primeira visita oficial ao Estado, afirmou também que a estratégia do governo será adotar políticas que evitem que pacientes com Covid-19 evoluam, piorem, e precisem do auxílio de respiradores.

A prefeitura do Rio recebeu nessa sexta 20 respiradores e mais 700 chegarão da China até a semana que vem. Além disso , já tem 16 tomógrafos e receberá outros desses equipamentos nos próximos dias.

O tomógrafo é importante para detectar a doença no estágio inicial e com o diagnóstico precoce aumentam as chances de tratamento sem necessidade de entubação.

“Precisamos otimizar e acelerar a capacidade de tratar das pessoas... estratégias para tentar diminuir a gravidade da doença na população e que a gente consiga evitar que as pessoas precisem tanto de terapia intensiva e diminuir a necessidade de qualquer cidade por respiradores, a ideia é essa”, disse Teich.

O ministro tem encontros ainda nessa sexta com o governador Wilson Witzel e deve visitar outras unidades de saúde.

Mais tarde, o prefeito Marcelo Crivella afirmou que no encontro fechado com Teich, o ministro revelou que as Forças Armadas vão colocar à disposição das cidades e Estados um cadastro com 800 mil militares e civis que poderiam ajudar no combate à Covid-19.

“Seria uma importante ajuda“, disse Crivella.

O prefeito vem sendo aconselhado pelos médicos ligados ao governo, assim como no Estado, a decretar o lockdown nos próximos dias para conter a curva da doença.

“Estudamos a possibilidade de como fazer lockdown sem que as pessoas morram de fome;... a diferença do remédio e o veneno é a dose, queremos a dose certa“, acrescentou Crivella.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up