for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Criatividade permite reencontros em lar de idosos em São Paulo durante a pandemia

Dircyree Villas Boas abraça a mãe, Dirce, através de cortina para evitar contágio do coronavírus 30/05/2020 REUTERS/Rahel Patrasso

SÃO PAULO (Reuters) - Dirce Villas Boas, 93 anos, moradora de um lar de idosos em São Paulo, passou 70 dias sem ver a filha até o final de semana, quando as duas se abraçaram e dançaram juntas em um reencontro emotivo.

A pandemia de coronavírus ainda não atingiu o pico em São Paulo, o epicentro do surto no Brasil, com mais de 111 mil casos e quase 8 mil óbitos devido ao vírus no Estado.

Mas, graças à inventividade do empresário local Bruno Zani, Dirce e a filha Dircyree puderam se abraçar novamente.

As duas foram separadas por uma cortina de plástico translúcida e com buracos para os braços, que também ficam protegidos. Elas não pareceram se importar.

“Você calcula o que é para uma mãe abraçar uma filha, o coração fica apertado, muito apertado”, disse Dirce.

Zani, que produziu a cortina, tem uma empresa de decoração de festas, ramo que foi afetado durante a pandemia. Ele normalmente doa flores das festas para asilos, onde notou que os moradores agora têm poucas chances de ver a família.

Depois de conversar com psicólogos, terapeutas e outros especialistas, Zani testou um programa piloto com a cortina de plástico em uma casa de repouso, e planeja oferecê-las em outros lares de idosos pela cidade.

“O ponto inicial foi o coração mesmo, foi sentir essa dificuldade do familiar e da pessoa que está confinada, que não podem mais se encontrar”, afirmou.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up