for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Aspirina com mel: "curas" para Covid-19 se espalham pelo Brasil

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Com o segundo maior surto de coronavírus do mundo, o Brasil tem algo que parece estar se espalhando mais rápido do que o vírus: os métodos suspeitos, e às vezes bizarros, para tratá-lo.

Beth Cheirosinha em sua barraca de produtos naturais no Mercado Ver-o-Peso, em Belém 16/06/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino

As sugestões incontáveis de remédios improvisados são transmitidas por WhatsApp, Facebook ou pelo velho boca a boca.

Às vezes, mensagens incentivam o uso de medicamentos convencionais, como o remédio antimalária cloroquina, que o presidente Jair Bolsonaro defende -- apesar dos poucos indícios de sua eficiência contra a Covid-19.

Mas com a mesma frequência os métodos tendem à excentricidade: de feijões com poderes mágicos a aspirina dissolvida em mel quente.

“Tive coronavírus, mas me tratei só com ervas medicinais”, disse Beth Cheirosinha, ambulante de cabelo rosa do Mercado Ver-o-Peso, em Belém.

“Peguei algumas folhas de algodão e mastruz. Bati tudo no liquidificador, misturei com mel e bebi meio copo três vezes por dia”, acrescentou ela diante de sua barraca, onde vende a mistura. Os negócios vão muito bem, disse.

A desinformação não é novidade nas redes sociais do país, mas profissionais de saúde alertam que ela raramente foi tão perigosa quanto as curas sem comprovação sendo alardeadas durante a pandemia.

Não está claro como estes arremedos de remédios surgem, mas especialistas dizem que o nervosismo generalizado é um ingrediente essencial, especialmente quando políticos emitem mensagens conflitantes ou desdenham os conselhos de profissionais de saúde.

Bolsonaro chegou a classificar o coronavírus como uma “gripezinha”, e disse que sua vida de atleta o imunizou dos piores efeitos da doença.

A Covid-19 já matou mais de 45 mil pessoas no Brasil, número só inferior ao dos Estados Unidos, e os casos confirmados se aproximam de 1 milhão.

Sugestões de “curas” incomuns recebidas por repórteres da Reuters por WhatsApp nas últimas semanas incluem o consumo de frutas como abacate e abacaxi.

Outra mensagem sustentou que o novo coronavírus vibra naturalmente na frequência de 5,5 megahertz. Entre as coisas que podem matá-lo está o “amor incondicional” -- que, segundo a mensagem, vibra naturalmente em 205 megahertz.

A Reuters não encontrou nenhum relato de pacientes que ficaram perigosamente doentes devido a curas fantásticas, mas médicos disseram que alguns brasileiros estão ignorando os conselhos médicos sobre distanciamento social e preferindo contar com remédios sem comprovação.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up