for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Brasil registra mais 1.269 mortes por Covid-19 e chega a 46.510; total de casos passa de 955 mil

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Brasil registrou nesta quarta-feira mais 1.269 mortes pela Covid-19, levando o total de óbitos no país provocados pela doença respiratória causada pelo novo coronavírus a 46.510, informou o Ministério da Saúde em plataforma online.

Paciente com Covid-19 é tratado em hospital de campo em Guarulhos (SP) 12/05/2020 REUTERS/Amanda Perobelli

Em relação às infecções confirmadas pelo vírus, o ministério informou que foram registradas mais 32.188 nas últimas 24 horas, totalizando 955.377 casos. Na véspera o Brasil havia registrado um novo recorde de casos confirmados em um dia, com 34.918.

O Brasil é o segundo país do mundo com maior número de infecções e óbitos em decorrência da Covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, que possuem cerca de 2 milhões de casos e 116 mil mortes.

A pandemia, porém, tem no momento maior aceleração no Brasil do que nos EUA.

Apesar dos números ainda altos da doença, diversos governadores e prefeitos já começaram a reabrir as atividades econômicas e a flexibilizar as medidas de distanciamento social decretadas para conter o avanço da doença, levando especialistas a alertarem que o Brasil pode sofrer uma piora do quadro.

As medidas de isolamento são criticadas pelo presidente Jair Bolsonaro, que já chamou a Covid-19 de “gripezinha” e afirma que os danos econômicos do distanciamento são piores do que os efeitos da própria doença --pressionando as autoridades locais a recuarem das quarentenas.

A situação do Brasil foi tratada nesta quarta-feira na entrevista coletiva da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Apesar de o país ter divulgado na véspera novo recorde de casos registrados em 24 horas, com quase 35 mil notificações, o chefe do programa de emergências da OMS, Mike Ryan, disse que há sinais de estabilização da epidemia no país e falou que é momento de redobrar os esforços para evitar um novo aumento de infeccções.

“Certamente a alta não é tão exponencial quanto antes, então entendo que a situação está se estabilizando”, disse Ryan ao ser questionado sobre a situação no Brasil, acrescentando, no entanto, que a pandemia no país ainda é “severa”.

Segundo ele, o momento é de “extrema precaução” e as autoridades e os cidadãos precisam estar focados nas medidas de distanciamento social e higiene para evitar a disseminação do vírus. Ryan disse que o Brasil tem histórico de conseguir superar epidemias, e afirmou que se as medidas adequadas forem tomadas o país terá sucesso no enfrentamento à Covid-19.

Segundo a contagem do Ministério da Saúde dividida por Estados, São Paulo continua como o mais afetado pela doença no Brasil, atingindo 191.517 infecções e 11.521 mortes. Nesta quarta-feira o Estado teve recorde de mortes registradas em 24 horas pelo segundo dia seguido, com mais 389 óbitos.

De acordo com os dados do ministério, o Brasil possui ainda 463.474 pacientes recuperados da doença e 445.393 em acompanhamento. A taxa de letalidade da doença é de 4,9%.

Pelo segundo dia seguido, o Ministério da Saúde não concedeu entrevista coletiva para prestar esclarecimento sobre a situação da pandemia no Brasil. As entrevistas, que eram realizadas diariamente no início da pandemia, têm sido cada vez mais raras desde que o general Eduardo Pazuello tomou posse como ministro interino no mês passado.

Veja um gráfico de casos pelo mundo: here

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up