for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Líder indígena brasileira ganha prêmio de direitos humanos Robert Kennedy

Líder indígena da Amazônia Alessandra Korap, da etnia munduruku 21/11/2019 REUTERS/Ueslei Marcelino

BRASÍLIA (Reuters) - A líder indígena da Amazônia Alessandra Korap, da etnia munduruku, recebeu o prêmio Robert F. Kennedy de direitos humanos de 2020 por seu trabalho em defesa das terras, da cultura e dos direitos dos povos indígenas no Brasil.

O prêmio será entregue por Kerry Kennedy, filha do ex-senador norte-americano, em uma cerimônia virtual a partir de Washington, na qual o ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry fará um discurso.

“O prêmio não é apenas para mim, é pela luta do povo munduruku e de outros povos da floresta que pedem socorro, que gritam, mas não são ouvidos”, disse a indígena, de 36 anos, em entrevista por telefone.

O prêmio será importante para fortalecer a luta de seu povo para impedir a construção de hidrelétricas no rio Tapajós, na Amazônia, onde vivem os munduruku, e para obter o reconhecimento das terras de sua etnia, acrescentou

A condecoração ocorre no momento em que o governo do presidente Jair Bolsonaro tem enfraquecido os serviços de saúde e educação para os povos indígenas, além de fazer vista grossa para madeireiros ilegais e garimpeiros que invadem cada vez mais reservas protegidas e destroem florestas, acrescentou.

Bolsonaro defende uma política de integração dos povos indígenas à sociedade, com o argumento de tirá-los da pobreza.

O presidente transformou a Funai em uma “organização de agricultores” dirigida por indicados pelo lobby do agronegócio, que buscam expandir a agricultura comercial para terras indígenas, afirmou.

“Este prêmio traz fortalecimento, mostra que nós temos que continuar. Vamos gritar mais”, disse.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up