for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Anvisa diz que houve discrepâncias em pedido de importação de insumo da CoronaVac

BRASÍLIA (Reuters) - A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou nesta sexta-feira que já fez uma análise do pedido de importação pelo Instituto Butantan de insumos da vacina chinesa contra Covid-19 CoronaVac, na qual foram identificadas “discrepâncias” informadas ao centro de pesquisas paulista, e destacou que não houve qualquer tipo de atraso na verificação.

Funcionário inspeciona frascos em unidade da chinesa Sinovac Biotech em Pequim 24/09/2020 REUTERS/Thomas Peter

O Butantan havia reclamado na véspera, em comunicado, de um suposto atraso de mais de um mês da Anvisa em analisar pedido de importação de insumos da vacina chinesa, mas o órgão regulador, também em nota, havia contestado e dito que a questão será respondida em até cinco dias úteis, negando que tenha atrasado o processo.

Em uma nova manifestação nesta sexta, a Anvisa disse que “o referido processo já havia sido analisado, quando da publicação da notícia, e que foram identificadas discrepâncias. Estas discrepâncias foram comunicadas ao Instituto Butantan”.

A Anvisa acrescentou que o instituto paulista fez no mesmo processo de insumos um pedido de autorização excepcional para importação de vacina na forma em seringa preenchida e na forma de um produto intermediário. Segundo a agência, são produtos em condições sanitárias diferentes.

“Para não haver perda de tempo, o processo foi desmembrado e as vacinas envasadas terão sua análise feita no prazo máximo de até cinco dias úteis, separada da análise do pedido de insumos”, afirmou a agência.

O órgão regulador afirmou que o processo se encontrava pautado para 4 de novembro, “justamente para que houvesse tempo hábil para o atendimento das discrepâncias apontadas no processo referente à matéria prima vacinal”.

“Assim sendo, não há nenhum tipo de retardo/atraso/morosidade por parte da Anvisa. A análise foi feita e as discrepâncias foram encaminhadas para o atendimento pelo laboratório”, informou.

Na véspera, o Butantan havia dito que aguardava desde 18 de setembro parecer da Anvisa ao pedido de importação de matéria-prima para produção da CoronaVac no Brasil.

O centro de pesquisa biológica paulista, que será responsável pela produção da CoronaVac no Brasil, disse no comunicado que o pedido tem “caráter excepcional para agilizar o fornecimento do imunizante no Brasil, contribuindo para salvar vidas e combater a pandemia”, e acrescentou que “obviamente” a vacina não será aplicada sem a aprovação e registro da Anvisa.

A vacina chinesa virou tema de disputa acirrada entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador de São Paulo, João Doria, seu desafeto político, uma vez que o Butantan é ligado ao governo paulista.

Bolsonaro vetou um acordo costurado por seu ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, que previa a compra de 46 milhões de doses da vacina produzida pelo Butantan com o objetivo de integrar o Programa Nacional de Imunização.

Apesar da disputa, o Butantan disse esperar que a agência “reavalie prazos e contribua para resguardar a saúde pública e a proteção dos brasileiros”.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up