March 8, 2016 / 12:45 AM / 2 years ago

Planalto teme conflitos em protestos e PT evitará convocar manifestações para domingo

BRASÍLIA (Reuters) - O temor da radicalização levou o Palácio do Planalto a obter do presidente do PT, Rui Falcão, a promessa de que o partido não irá convocar ações para o próximo domingo, mesmo dia em que grupos de oposição pretendem protestar contra o governo, informaram à Reuters nesta segunda-feira duas fontes palacianas.

Durante a tarde de domingo, a presidente Dilma Rousseff, depois de passar a manhã no Rio Grande do Sul, convocou seus auxiliares mais próximos – Jaques Wagner, da Casa Civil, Ricardo Berzoini, da Secretaria de Governo, e o chefe de Gabinete da Presidência, Giles Azevedo – para discutir o agravamento do clima político no país e os problemas que o governo irá enfrentar na pauta da Câmara. O risco de conflitos levou a presidente a tratar do assunto como “situação de emergência”.

Na manhã desta segunda-feira, o presidente do PT esteve no Palácio do Planalto em uma reunião com Jaques Wagner e Ricardo Berzoini e concordou que o partido não chamaria atos para o domingo – apesar de alguns diretórios estarem marcando atos para o mesmo dia em que grupos que defendem o impeachment da presidente pretendem se manifestar.

De acordo com uma fonte, o PT defenderá que os atos sejam apartidários e não irá, por exemplo, participar de uma passeata que está sendo marcada para a avenida Paulista, em São Paulo – mesmo local da manifestação de oposição.

O governo avalia que a radicalização do discurso, que atraiu mais pessoas depois da condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para depor, na última sexta-feira, pode ser boa para o PT, pois pode fortalecer e unificar o discurso das esquerdas. No entanto, não é boa para o governo se desandar em conflitos violentos, como chegou a acontecer na sexta-feira.

O Planalto vem monitorando a adesão ao protesto de domingo nas redes sociais e, desde a semana passada – com o vazamento do acordo de delação premiada do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) e a etapa da operação Lava Jato que atingiu Lula – houve um aumento das adesões ao protesto de 13 de março. O governo teme um retorno do assunto impeachment com a força de uma manifestação significativa no final de semana.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below