March 15, 2018 / 10:20 AM / 4 months ago

Vereadora do PSOL ativista dos direitos humanos é morta a tiros no Rio de Janeiro

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL), ativista dos direitos humanos e que denunciava abusos em ações da polícia em favelas locais, foi morta a tiros na noite de quarta-feira na zona norte da cidade, mesmo com o Estado sob intervenção federal na área de segurança pública.

Mulheres reagem à morte da vereadora Marielle Franco no local do crime, no Rio de Janeiro 15/03/2018 REUTERS/Ricardo Moraes

Marielle, de 38 anos e criada na favela da Maré, foi alvejada dentro do carro em que estava com outras duas pessoas por atiradores que estavam em outro carro. O motorista do veículo da parlamentar também morreu, e uma assessora da vereadora ficou ferida.

O caso ocorreu no bairro do Estácio e o autor dos disparos fugiu. A motivação do crime está sendo investigada pela Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio.

“A atuação de Marielle como vereadora e ativista dos direitos humanos orgulha toda a militância do PSOL e será honrada na continuidade de sua luta. Exigimos apuração imediata e rigorosa desse crime hediondo. Não nos calaremos!”, disse o PSOL em nota.

Um dia antes de morrer, a vereadora escreveu no Twitter mensagem com crítica à violência. “Mais um homicídio de um jovem que pode estar entrando para a conta da PM. Matheus Melo estava saindo da igreja. Quantos mais vão precisar morrer para que essa guerra acabe?”.

O assassinato de Marielle ocorreu apesar de o Estado do Rio estar sob intervenção federal na área de segurança pública desde o mês passado devido a uma escalada da violência e a uma profunda crise financeira que afetou a capacidade de investimento nas forças policiais.

O governo federal informou, por meio de nota da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, que acompanhará toda a apuração do assassinato da vereadora, e que o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, colocou a Polícia Federal à disposição para auxiliar em toda investigação.

A organização de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional cobrou uma “investigação imediata e rigorosa” do caso. “Marielle Franco é reconhecida por sua histórica luta por direitos humanos, especialmente em defesa dos direitos das mulheres negras e moradores de favelas e periferias e na denúncia da violência policial. Não podem restar dúvidas a respeito do contexto, motivação e autoria do assassinato de Marielle Franco”. 

Por Rodrigo Viga Gaier e Pedro Fonseca; Reportagem adicional de Ricardo Brito, em Brasília

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below