March 19, 2018 / 8:03 PM / 6 months ago

Jungmann não fez associação direta entre crime na Paraíba e assassinato de Marielle, diz ministério

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro Segurança Pública, Raul Jungmann, não fez uma associação direta entre o crime de arrombamento de cofre em agência dos Correios na Paraíba em 2017 e o assassinato da vereadora Marielle Franco e o mortorista Anderson Pedro Gomes na semana passada, informou nesta segunda-feira a assessoria do ministério por meio de nota.

Demonstradora em protesto sobre o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco em frente a policial, no Rio de Janiero, Brasil 18/03/2018 REUTERS/Ricardo Moraes

“O ministro não associou diretamente o episódio da Paraíba com as cápsulas encontradas no local do crime que vitimou a vereadora e seu motorista”, disse a nota do ministério.

Segundo a nota, o ministro apenas “explicou que a presença dessas cápsulas da PF no local pode ter origem em munição extraviada ou desviada e informou que há registros de munição da Polícia Federal encontradas em outras cenas de crime sob investigação”.

Ainda de acordo com a nota, Jungmann citou os exemplos da Paraíba e um outro caso de 2006 na superintendência do Rio como “exemplos de munição extraviada que acabam em mãos de criminosos”.

Na semana passada, declarações do ministro levaram à interpretação que havia uma associação direta entre a munição utilizada no crime contra a vereadora e seu motorista e os exemplos citados por ele.

Na sexta-feira, a PF informou, em comunicado, que abriu inquérito para apurar a origem da munição usada no assassinato de Marielle e de seu motorista, assim como as circunstâncias envolvendo as cápsulas encontradas no local do crime.

Marielle, de 38 anos, e Anderson Gomes foram mortos na noite de quarta-feira no Rio quando pessoas em um veículo emparelharam com o carro da vereadora e atiraram, atingindo a parlamentar com quatro tiros na cabeça.

Os criminosos não levaram nada no local. A motivação do crime está sendo investigada pela Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio. A PF está ajudando a polícia do Rio na apuração.

Por Maria Carolina Marcello

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below