June 1, 2018 / 7:19 PM / 4 months ago

Governistas defendem que novo presidente da Petrobras tenha sensibilidade política

BRASÍLIA (Reuters) - Parlamentares e políticos de partidos governistas evitaram críticas nesta sexta-feira a Pedro Parente, que anunciou nesta sexta-feira sua renúncia ao comando da Petrobras, mas defenderam que o próximo presidente da estatal tenha traquejo político e “sensibilidade”.

Alguns deles, como os senadores Eduardo Braga (MDB-AM) e Maria do Carmo (DEM-SE), já haviam assinado requerimento de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) protocolado na noite da terça-feira no Senado para discutir, justamente, a política de preços adotada pela empresa.

Agora, diante do pedido de demissão de Pedro Parente, outros também sinalizaram disposição a debater a política de preços da estatal.

Para o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), é preciso mais do que competência empresarial para comandar uma empresa como a estatal petroleira.

“O presidente de uma empresa monopolista como a Petrobras precisa reunir visão empresarial, sensibilidade social e responsabilidade política. A ANP deve ter participação mais ativa na formação dos preços dos combustíveis”, declarou o presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira (MDB-CE), por meio do Twitter.

Na mesma linha, a líder do MDB e do bloco da maioria no Senado, Simone Teber (MS), avaliou que não faltaram “competência” e “credibilidade” a Parente, mas “sensibilidade política” para entender a conjuntura do país.

“Sobre o futuro da Petrobras, entendo que o sucessor precisa ser um gestor político! Que seja competente e experiente, mas, acima de tudo, político para entender que a Petrobras, embora tenha autonomia administrativa, é uma estatal que pertence ao povo brasileiro”, defendeu a senadora.

Até mesmo o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, partido que integrou a base, mas não apresenta uma ruptura drástica com o governo, posicionou-se favorável a uma política de preços diferente.

“O importante agora é não desperdiçar o trabalho de recuperação da Petrobras que Pedro Parente conduziu. E adotarmos uma política de preços de combustíveis que, preservando a empresa, proteja também os consumidores.”

Já o líder do DEM na Câmara, Rodrigo Garcia (SP), afirmou que a crise causada pela greve dos caminhoneiros teve o “lado bom” de trazer à tona o debate sobre o preço dos combustíveis.

“Este debate terá de ser enfrentado”, disse Garcia, que fez questão de elogiar Parente, “gestor responsável por recuperar a Petrobras da pior crise de sua história”. O líder do DEM considerou, no entanto, o pedido de demissão “inoportuno”.

“Sua saída não ajuda neste momento de turbulência. Suas conquistas devem ser preservadas”, disse Garcia.

A discussão sobre a política de preços deve ganhar força na próxima semana, com a expectativa de leitura do pedido de criação da CPI no Senado. A partir dessa leitura em plenário, começa a contagem regressiva, até a meia-noite do dia em que for lida, para que senadores possam retirar suas assinaturas do requerimento.

Para ser criada, a CPI precisa do apoio de pelo menos 27 senadores —29 assinaram o requerimento que pede uma investigação sobre a política de preços da estatal.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below