August 27, 2018 / 8:51 PM / 3 months ago

Jucá deixa liderança do governo por divergência sobre crise de venezuelanos em Roraima

SÃO PAULO (Reuters) - O senador Romero Jucá (MDB-RR) anunciou nesta segunda-feira que deixou o cargo de líder do governo do presidente Michel Temer no Senado por discordar da forma que a gestão do emedebista está lidando com a crise de refugiados venezuelanos em Roraima.

Brazil's Planning Minister Romero Juca attends a news conference in Brasilia, Brazil, May 23, 2016. REUTERS/Adriano Machado TPX IMAGES OF THE DAY - D1AETFSORUAB

“Acabo de comunicar ao presidente @MichelTemer que deixo a liderança do Governo por discordar da forma como o governo federal está tratando a questão dos venezuelanos em Roraima”, escreveu o parlamentar em sua conta no Twitter.

Roraima tem recebido um grande fluxo de venezuelanos que deixam seu país natal por causa da grave situação econômica e social que o atinge. A crise imigratória ganhou contornos violentos na última semana, depois que venezuelanos foram expulsos do acampamento que ocupavam na cidade fronteiriça de Pacaraima, em Roraima, sendo forçados a fugirem de volta para o lado venezuelano.

Em sua publicação na rede social, Jucá não especificou quais são suas divergências sobre a política de Temer para a crise, mas o senador, que tenta a reeleição na eleição deste ano, tem defendido uma cota para a entrada de venezuelanos e a suspensão da passagem de fronteira em Pacaraima.

Em entrevista coletiva no início desta noite no Palácio do Planalto, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que Jucá tomou uma atitude “ética” ao deixar a liderança do governo no Senado.

“O senador nos sugeriu uma medida, o fechamento mesmo que temporário da fronteira. O presidente, pelos compromissos internacionais que nós temos e em função da tradição brasileira de acolhimento, não cabia esse tipo de atitude, era impossível esse tipo de atitude neste momento e o senador então tomou essa decisão”, disse Marun.

“O senador Jucá está tomando uma atitude ética. A partir do momento em que ele discorda da nossa atitude em relação à questão, ele decide se afastar da liderança do governo e, a partir daí, ele tem o direito de tomar as atitudes que entender as mais devidas para a questão.”

Marun disse que um substituto deve ser definido na terça-feira e negou que a decisão de Jucá tenha tido caráter eleitoreiro.

“Nós pretendemos até amanhã ter resolvida essa situação. O presidente tem algumas ideias de convite e até amanhã isso estará solucionado”, comentou.

Pesquisa Ibope divulgada no dia 17 apontou Jucá numericamente na terceira posição na disputa pelas duas vagas para o Senado em Roraima, ainda que no chamado empate técnico. Mas Marun rejeitou a hipótese de Jucá deixar a liderança do governo para se descolar de Temer, que é altamente impopular.

“A questão do senador Jucá é uma questão local”, disse o ministro. “Não vejo como um ato eleitoreiro, vejo como ato de uma pessoa digna.”

Por Eduardo Simões, em São Paulo

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below