November 5, 2018 / 7:11 PM / 14 days ago

Governo do Egito adia visita oficial do Brasil após declarações de Bolsonaro sobre embaixada em Jerusalém

Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, em entrevista coletiva 21/11/2017 REUTERS/Yiannis Kourtoglou

BRASÍLIA (Reuters) - Depois das reiteradas declarações do presidente eleito Jair Bolsonaro de que iria transferir a embaixada do Brasil em Israel de Telaviv para Jerusalém, o governo do Egito adiou sem previsão de nova data uma visita do ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, que estava marcada para os dias 8 a 11 deste mês.

A informação oficial repassada pela chancelaria egípcia é que a viagem precisaria ser adiada por problemas de agenda das altas autoridades do país. Aloysio teria encontros com o chanceler do país, Sameh Shoukry, e o presidente, Abdel Fattah el-Sisi.

No entanto, fontes do Itamaraty admitem que o cancelamento –em cima da hora e sem sugestão de uma nova data, o que não é o protocolo nas relações diplomáticas– é um sinal do desagrado do país árabe com as posições do novo presidente brasileiro.

Bolsonaro já havia falado durante a campanha e, recentemente, reiterou em entrevista e por sua conta pessoal no Twitter, que pretende transferir a embaixada brasileira para Jerusalém, seguindo o movimento feito pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Considera-se Jerusalém território em disputa entre Israel e a Autoridade Palestina. De acordo com o plano da Organização das Nações Unidas (ONU) para a região, com a criação de dois Estados, a cidade seria a capital de ambos, já que os dois povos a reivindicam como território ancestral. No entanto, enquanto a solução não é implantada, Jerusalém não é reconhecida pela ONU como capital de nenhum dos dois países.

A decisão de Bolsonaro, que diz não reconhecer a Palestina como nação, força uma posição brasileira de alinhamento com Israel, contrária à seguida pela diplomacia brasileira até hoje, que sempre foi de apoio à solução de dois Estados e o reconhecimento da Palestina, e desagrada os países árabes, hoje quinto destino de exportações brasileiras, especialmente de carne, frango e açúcar.

Aloysio viajaria com uma comissão de empresários, já que a intenção da visita era fortalecer as relações comerciais entre Brasil e Egito depois da assinatura de um acordo de livre comércio entre o país árabe e o Mercosul. O 2º Fórum Brasil-Egito de oportunidades de investimento aparecia com destaque na página da Câmara de Comércio Brasil-Árabe, mas foi também canceladp sem nova data.

Por Lisandra Paraguassu

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below