November 14, 2018 / 9:24 PM / a month ago

ENTREVISTA-Forças Armadas devem lealdade aos brasileiros não a Bolsonaro, diz Etchegoyen

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general da reserva do Exército Sérgio Etchegoyen, afirmou que as Forças Armadas do país devem lealdade à população brasileira, e não ao presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), e fez questão de destacar que não há risco de politização do Exército, da Marinha e da Aeronáutica no futuro governo.

Ministro Etchegoyen, em entrevista à Reuters em Brasília 13/11/2018 REUTERS/Adriano Machado

“Agora está eleito um governo de um político. O presidente eleito foi um dia um militar, há 30 anos, ele é político, ele tem sim como vice-presidente um militar que até ontem foi um general que chegou ao maior posto”, disse, referindo-se a Bolsonaro, um capitão da reserva do Exército, e seu vice, Hamilton Mourão.

“Se nós temos as Forças Armadas que nunca participaram, nunca foram sustento de governo de nenhum regime democrático, não teria que ser agora. Não vejo”, disse Etchegoyen, em entrevista exclusiva à Reuters na terça-feira, no gabinete dele no Palácio do Planalto.

Para ele, as Forças Armadas devem lealdade aos brasileiros e há um “equívoco” na percepção do papel da instituição, “principalmente pela imprensa”. Ele disse que desde 1979 — desde a revogação dos últimos atos institucionais de “exceção” — o Brasil está “absolutamente livre” para o exercício de todas as tendências do espectro político.

“As Forças Armadas nunca foram atores políticos nesses 39 anos, nunca foram fonte de instabilidade”, disse ele, ao destacar que nesse período foram até eleitos governos de esquerda com os quais as forças tiveram “muito boas relações”.

O ministro do GSI disse que a então candidatura de Bolsonaro já tinha sido lançada há “bastante tempo” e que as Forças Armadas não participaram dela. “Não houve proselitismo, houve generais da reserva, reformados, outros militares reformados que têm todo o direito de fazerem a sua escolha e escolha feita foi de 57 milhões de brasileiros, a escolha não foi de militares”, afirmou.

“O presidente eleito é um presidente eleito por vontade de 57 milhões de brasileiros. É a esses 57 milhões de brasileiros que as Forças Armadas -57 milhões não— é a todos os brasileiros que as Forças Armadas devem a lealdade do seu papel, não ao presidente eleito”, disse.

O general afirmou considerar uma “aposta complicada” ingressar na carreira militar com vistas a buscar um caminho político no futuro, após ser questionado sobre o aumento do número de escolhidos para o primeiro escalão de quadros egressos das Forças Armadas no governo Bolsonaro. Na terça-feira, por exemplo, tinha sido confirmado o também general da reserva Fernando Azevedo e Silva como ministro da Defesa, que Etchegoyen disse ter percorrido o “caminho militar e político em alguns momentos”.

“O que te promove na carreira militar são teu currículo militar, o teu passado. Se fosse isso, Bolsonaro teria esperado ser general para se candidatar. Ele escolheu um caminho político legítimo lá atrás. Além disso, só para complementar, ele está cumprindo mais uma promessa de campanha, disse que ia colocar um general e colocou um general 4 estrelas”, afirmou, em referência ao novo titular da Defesa.

Etchegoyen disse que defende a escolha de um ministro da Defesa “relevante”, seja civil ou militar. Ele admitiu que a indicação do novo ministro da Defesa pode “desbalancear” e ter um “mal-estar” na relação com as duas outras forças — antes da decisão, Bolsonaro chegou a ponderar que estaria pensando em alguém da Marinha para o cargo.

“Mas militares somos disciplinados”, ressalvou, para quem não deve causar um problema maior. “Não, o ministro vai precisar dos comandantes, os comandantes vão precisar do ministro como interlocutor do presidente”, disse.

SOLAVANCOS E INSTITUIÇÕES

Etchegoyen, que assumiu em maio de 2016 a pasta responsável por acompanhar ameaças à segurança institucional na esteira do afastamento da então presidente Dilma Rousseff pelo Senado, afirmou que o país passou por três momentos “muito graves” e “muito sérios”: o impeachment da petista, a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em abril e a eleição de Bolsonaro. Ele destacou que a sociedade aceitou as decisões tomadas pelas instituições, apesar de manifestações.

“A eleição do Bolsonaro seria o fim do mundo, a sociedade aceitou o resultado, os derrotados aceitaram o resultado e o Brasil está aí”, disse.

Para ele, as pessoas têm que entender que o Brasil é um país sofisticado e, para enfatizar sua crença na solidez das instituições brasileiras, o ministro do GSI recorreu a uma hipótese extrema: o do afastamento de Bolsonaro em caso de atuação ilegal.

“Então elegemos um presidente que tem uma posição diferente do governo que estava. É legítimo, é democrático e muito bem, ele vai governar. Ah, é um fascista, um pervertido. Se for isso, a sociedade tira ele no dia seguinte. Brasil não tem lugar para isso”, disse ele, que criticou os rótulos colocados no presidente eleito durante a eleição.

TERRORISMO

Embora não tenha comentado abertamente a posição de Bolsonaro em defesa de enquadrar como crime de terrorismo invasão de propriedade feita por movimentos sociais, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), o ministro do GSI disse que “não foi inteligente” a lei que tipifica tais delitos ter deixado de fora tais movimentos. Ele disse que as reivindicações deles são fatos da vida democrática e não há “absolutamente nenhum problema” quanto a isso.

“A partir do momento que o movimento social está excepcionalizado, ele passa a ser o alvo daquele que quiser se infiltrar. Ele sabe que aquele que quiser se infiltrar num movimento social, ele vai estar excepcionalizado”, disse. “Para mim, não se trata de criminalizar, colocar na lei os movimentos sociais. Eu acho que eles não deveriam estar isentos até em benefício deles mesmos. Por favor, não vão botar de outra forma”, ressaltou.

SEGURANÇA PRESIDENCIAL

Etchegoyen afirmou que, diante do atentado à faca contra Bolsonaro em setembro, o trabalho do GSI já está sendo e será “maior” e que tem conversado “muito” com o general Augusto Heleno, já anunciado pelo presidente eleito para comandar a pasta a partir de janeiro.

“Ele (Bolsonaro) -e a ironia que ele é o radical, ele é isso-, mas foi ele que levou a facada e continua sendo ameaçado. Então até que as ameaças que existem se esclareçam se são blefe ou não, até esse momento vamos ter que conviver com uma segurança bem diferente do atual presidente, da antiga presidente”, disse.

Etchegoyen afirmou que haverá mais pessoal envolvido na segurança, maior restrição de acesso e o emprego de outras técnicas e cuidados com o presidente eleito. “Menos exposição, aí tem que ver. Tem que ver até o que o presidente vai querer, se ele vai ser disciplinado ou não.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below