December 19, 2018 / 6:50 PM / 4 months ago

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro não comparece a depoimento sobre movimentações financeiras

Senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL) no Rio de Janeiro 30/10/2018 REUTERS/Sergio Moraes

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O ex-policial militar Fabrício Queiroz, ex-assessor do deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), não compareceu a depoimento marcado para esta quarta-feira no Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) para prestar explicações sobre movimentação atípica identificada em sua conta bancária pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), informou o MPRJ.

Segundo o Ministério Público, advogados de Queiroz disseram que o cliente apresentou um problema súbito de saúde que o impediu de comparecer, e a defesa do ex-assessor parlamentar do filho do presidente eleito Jair Bolsonaro também alegou que não teve tempo hábil para analisar o processo.

“Os advogados de defesa de Fabrício comunicaram... que não tiveram tempo hábil para analisar os autos da investigação e relataram que seu cliente teve inesperada crise de saúde e estaria em atendimento para a realização de exames médicos de urgência, acompanhado de sua família”, disse o MPRJ em nota.

“Em razão disso, o advogado solicitou o adiamento das oitivas e requereu cópia dos autos da investigação”, acrescentou o Ministério Público, informando que o depoimento foi remarcado para sexta-feira.

De acordo com relatório do Coaf, Queiroz movimentou de forma suspeita 1,2 milhão de reais entre 2016 e 2017, incluindo depósitos à futura primeira-dama, Michelle Bolsonaro, mulher do presidente eleito Jair Bolsonaro.

O presidente eleito justificou os depósitos afirmando que eram pagamentos de um empréstimo que havia feito a Queiroz, e disse que se tiver errado por não ter registrado a operação na declaração do Imposto de Renda irá reparar o erro.

Na terça-feira, Flávio Bolsonaro sugeriu que o vazamento das informações sobre as movimentações financeiras suspeitas do ex-assessor seria uma tentativa de atingir e desestabilizar o futuro governo de seu pai.

Flávio Bolsonaro disse ainda ter conversado recentemente com Queiroz e ouvido do ex-assessor como justificativa para a movimentação financeira que ele tinha gerido recursos da família no período apontado pelo Coaf.

Reportagem de Rodrigo Viga Gaier

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below