January 21, 2019 / 10:31 AM / 7 months ago

Flávio Bolsonaro diz na TV que depósitos e pagamento de R$1 mi referem-se a apartamento

(Reuters) - O senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou, em entrevista na noite de domingo à TV Record, que dezenas de depósitos de 2 mil reais em sua conta em 2017 e um pagamento de pouco mais de 1 milhão de reais de um título bancário são referentes a compra e venda de um imóvel no Rio de Janeiro, e negou ter pedido foro privilegiado ao Supremo Tribunal Federal.

Senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) 06/09/2018 REUTERS/Ricardo Moraes

Flávio Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, é investigado na esfera cível da Justiça do Rio de Janeiro por suspeita de movimentação atípica detectada pelo Conselho de Controle de Atividade Financeiras (Coaf).

Segundo reportagens do Jornal Nacional, da TV Globo, o Coaf identificou 48 depósitos de 2 mil reais entre junho e julho de 2017 e um pagamento de pouco mais de 1 milhão de reais de um título bancário da Caixa Econômica Federal na conta de Flávio Bolsonaro, então deputado estadual.

O senador eleito afirmou na entrevista à Record que o título foi referente à compra de um imóvel na zona sul do Rio de Janeiro, e que os depósitos de 2 mil reais são referentes, em parte, a dinheiro recebido em espécie pela venda do mesmo imóvel.

“Não tem dinheiro ilícito na minha mão”, disse o senador eleito, que acrescentou também ser empresário, apesar de não especificar o ramo de sua empresa.

Além da movimentação na conta do próprio senador, o jornal O Globo destacou no domingo que o ex-assessor dele Fabrício Queiroz chegou a movimentar em sua conta, além de 1,2 milhão de reais já divulgados, outros 5,8 milhões de reais, totalizando 7 milhões de reais em três anos.

Questionado se a movimentação poderia ter relação com pagamentos feitos por próprios funcionários de seu gabinete como deputado estadual, Flávio Bolsonaro negou. “No meu gabinete não, e se eu soubesse de alguém que estivesse cometendo isso eu era o primeiro a denunciar e mandar prender. Quem me conhece sabe que não tem sacanagem comigo.”

Na entrevista à Record, o senador eleito também afirmou que não pediu foro privilegiado ao STF, mas que ingressou com ação no Supremo para que fique determinado a quem deve prestar esclarecimentos: às autoridades federais, por ser senador eleito, ou às autoridades estaduais do Rio de Janeiro.

“A decisão que o Supremo vai tomar é onde que eu tenho que prestar esclarecimentos”, disse. “Já informei ao Supremo as atrocidades que estão acontecendo comigo”.

Na semana passada, o presidente em exercício do STF, Luiz Fux, suspendeu a investigação sobre movimentações financeiras atípicas do ex-assessor de Flávio Bolsonaro.

O jornal Folha de S.Paulo desta segunda-feira trouxe uma nova informação envolvendo Flávio Bolsonaro. Segundo a Folha, o senador eleito registrou de 2014 a 2017 a aquisição de dois apartamentos em bairros nobres do Rio de Janeiro, ao custo informado de 4,2 milhões de reais.

Com o caso do filho do presidente rondando o Palácio do Planalto, o vice-presidente da República, general da reserva Hamilton Mourão, disse no domingo à Reuters que o assunto não diz respeito ao governo.

Para Mourão, é preciso aguardar o andamento dos fatos e investigações antes de se tirar conclusões.

Mourão assumiu interinamente a Presidência da República na noite de domingo enquanto Bolsonaro participa do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça.

Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below