April 12, 2019 / 7:19 PM / 5 months ago

Exército não matou ninguém, houve um incidente, diz Bolsonaro sobre morte de músico no Rio

Protesto contra operação militar no Rio depois de morte de músico 11/4/2019 REUTERS/Lucas Landau

(Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta sexta-feira que o “Exército não matou ninguém”, na primeira declaração pública seis dias após a morte do músico Evaldo Rosa dos Santos no momento em que o carro em que estava com a família foi atingido por 80 tiros disparados por militares no Rio de Janeiro.

“O Exercito não matou ninguém não. O Exército é do povo. Não pode acusar o povo de assassino, não. Houve um incidente. Houve uma morte”, disse Bolsonaro, em entrevista após inauguração do aeroporto de Macapá (AP).

“Lamentamos a morte de um cidadão trabalhador, honesto e está sendo apurada a responsabilidade, porque no Exército sempre há um responsável, não existe essa de jogar para debaixo do tapete. Vai aparecer um responsável”, acrescentou.

O ataque ao carro músico — que teria sido confundido pelos militares com um de suspeitos — gerou forte repercussão no país e levou a questionamento a respeito da atuação das Forças Armadas em operações de segurança pública.

O presidente disse que uma perícia foi pedida para que se tenha clareza sobre o que ocorreu no caso. Afirmou ainda que o Exército, “na pessoa do seu comandante, ministro da Defesa, vai se pronunciar sobre este assunto”. “E se for o caso eu me pronunciou também”, disse.

“Com os dados na mão, os números na mão, nós vamos assumir a nossa responsabilidade e mostrar realmente o que aconteceu para a população brasileira”, disse Bolsonaro, que é um capitão da reserva do Exército.

Nesta sexta-feira, o ministro do Superior Tribunal Militar (STM) Lúcio Mario de Barros Góes negou liminar, por falta de amparo legal, para revogar a prisão preventiva e colocar em liberdade nove militares que estão presos em razão da morte.

Na decisão, o ministro do STM relatou os fundamentos já adotados anteriormente pela Justiça quando converteu a prisão dos militares de flagrante em preventiva. Citou argumento anterior de que foram “desrespeitadas as regras de engajamento que devem pautar a atuação dos militares, o que culminou na prática delitiva”.

Reportagem de Ricardo Brito, em Brasília

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below