May 29, 2019 / 9:21 PM / 6 months ago

Previdência tem maioria artificial na comissão; votação no colegiado depende de apoio à reforma no plenário

BRASÍLIA (Reuters) - A reforma da Previdência já tem votos para ser aprovada na comissão especial, mas essa maioria é artificial, afirmou uma importante liderança da Câmara, razão pela qual sua votação no colegiado precisa estar atrelada à garantia de apoio à proposta no plenário da Casa.

Plenário da Câmara dos Deputados 19/02/2018 REUTERS/Adriano Machado

Segundo essa liderança, que pediu para não ser identificada, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), errou ao pressionar pela antecipação da apresentação do parecer na comissão especial, sob o argumento de que não adianta votar a reforma no colegiado sem ter no mínimo 308 votos para aprová-la em dois turnos de votação no plenário.

Para esse parlamentar, integrante de um partido do chamado campo do centro, a maioria de votos estimada na comissão pode ser modificada a depender da evolução da relação entre o governo e o Congresso.

Os ataques à classe política principalmente por parte do governo, partidários e até mesmo dos filhos do presidente Jair Bolsonaro chegaram ao limite e precisam cessar, argumenta essa liderança.

“O governo não vai conseguir aprovar a reforma com votos do PT, do PSB ou do PSOL”, disse a fonte. “Vai precisar dos partidos de centro”, alertou.

Ao mesmo tempo, explica que os parlamentares encontram-se entre a cruz e a espada. Se no ambiente virtual, são alvo de governistas, na vida real sofrem pressão em suas bases contra pontos da reforma da Previdência.

“O deputado vai escolher apanhar de quem?”, questionou, respondendo que a preferência geral tem sido a de cultivar a imagem com os eleitores nos Estados.

BUSCA DE APOIO

Uma segunda fonte consultada pela Reuters explicou que a intenção de Maia, ao pedir a antecipação do parecer, não se referia a um adiantamento formal do calendário, mas a uma discussão prévia justamente para a produção de um relatório que tenha mais chance de obter apoio.

Isso não significaria, no entanto, que o prazo de tramitação da proposta será encurtado. Pelo contrário, os dois parlamentares não arriscam falar em uma data de votação no plenário.

“Vai depender”, disse a segunda fonte.

Nesta quarta, Maia afirmou que não quis atropelar os prazos da comissão especial da reforma da Previdência ao sugerir, na véspera, que o relator da matéria, Samuel Moreira (PSDB-SP), apresente seu texto antes de 15 de junho, previsão inicial da comissão.

Em entrevista à Reuters na terça, o presidente da comissão, Marcelo Ramos (PL-AM), afirmou que a tendência é de o parecer ser votado pelo colegiado somente na primeira semana de julho.

Estimativa inicial de Maia previa que o texto já pudesse estar no plenário no início de julho.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below