June 26, 2019 / 11:25 AM / 6 months ago

Sargento preso com cocaína na Espanha estava em avião de apoio a Bolsonaro; Mourão vê caso restrito à FAB

RIO DE JANEIRO/MADRI (Reuters) - O sargento brasileiro preso na Espanha por levar 39 quilos de cocaína em um avião da Força Aérea Brasileira era parte da tripulação de uma aeronave de apoio ao presidente Jair Bolsonaro e o episódio está restrito à FAB, avaliou nesta quarta-feira o vice-presidente Hamilton Mourão, que está no exercício da Presidência da República.

Torre do aeroporto de Sevilha, no sul da Espanha 23/06/2016 REUTERS/Marcelo del Pozo

Mourão, que mais cedo havia dito que o sargento preso voltaria na mesma aeronave que trará Bolsonaro de volta da reunião do G20 no Japão, se corrigiu no início desta noite e disse que o militar era tripulante de uma aeronave de apoio. Na mesma linha, o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica disse que o sargento “não integraria, em nenhum momento, a tripulação da aeronave presidencial”.

O vice-presidente ressaltou que o sargento não fazia parte da equipe de segurança de Bolsonaro.

“Se ele estivesse no grupo com o presidente, ele teria obrigatoriamente de ter passado (por uma revista). Esse pacote é da Força Aérea. É uma questão do controle interno da Força Aérea, ela vai ter que verificar onde é que houve a falha para que não ocorra novamente”, disse Mourão aos jornalistas.

“Eu não defendo nada. Isso é um problema do comandante da Força Aérea, não vamos passar essa bola para mim”, acrescentou.

O sargento foi preso no aeroporto de Sevilha, onde inicialmente Bolsonaro faria uma escala rumo ao Japão, onde participará da reunião do G20. Após a prisão do militar, a parada do presidente foi trocada por Lisboa.

O presidente, que na terça disse pelo Twitter ter sido informado do caso pelo ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, voltou à mesma rede social nesta quarta para afirmar que o sargento merece “punição exemplar”.

“Apesar de não ter relação com minha equipe, o episódio de ontem (terça-feira), ocorrido na Espanha, é inaceitável. Exigi investigação imediata e punição severa ao responsável pelo material entorpecente encontrado no avião da FAB. Não toleraremos tamanho desrespeito ao nosso país!”, disse.

Na nota que divulgou, o Centro de Comunicação Social da Aeronáutica disse que o sargento, cujo nome não foi revelado, exercia função de comissário de bordo.

“Esclarecemos que o sargento partiu do Brasil em missão de apoio à viagem presidencial, fazendo parte apenas da tripulação que ficaria em Sevilha”, afirma a nota, que diz que o sargento foi preso “por suposto envolvimento no transporte de entorpecentes”.

“O militar encontra-se preso à disposição das autoridades espanholas. O Comando da Aeronáutica instaurou Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar todas as circunstâncias do caso. Medidas de prevenção a esse tipo de ilícito são adotadas regularmente. Em vista do ocorrido, essas medidas serão reforçadas”, acrescenta a nota.

Também nesta quarta, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) anunciou que apresentou requerimento convidando o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, para prestar esclarecimentos à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa sobre o episódio.

Reportagem de Pedro Fonseca, Eduardo Simões e Ricardo Brito; Reportagem adicional de Andres Gonzalez em Madri

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below