August 30, 2019 / 4:17 PM / 17 days ago

Nordea Asset Management suspende compras de títulos do governo brasileiro devido a fogo na Amazônia

OSLO (Reuters) - A divisão de gestão de ativos do Nordea, um dos maiores bancos nórdicos, disse que está suspendendo as compras de títulos do governo brasileiro, o mais recente investidor nórdico a agir em resposta aos incêndios florestais na Amazônia.

Incêncio na Amazônia, perto de Porto Velho 27/8/2019 REUTERS/Ricardo Moraes

A Nordea Asset Management disse que sua exposição atual a títulos soberanos brasileiros era de aproximadamente 100 milhões de euros (111 milhões de dólares).

Milhares de incêndios na Amazônia na semana passada geraram uma crise internacional para o Brasil, com protestos públicos e líderes mundiais expressando preocupação de que o governo do presidente Jair Bolsonaro esteja fazendo muito pouco para proteger a maior floresta tropical do mundo.

“Estamos adotando uma quarentena temporária para títulos do governo brasileiro denominados em dólar e real, o que significa que não há compras adicionais e apenas ações potenciais de venda”, disse à Reuters Thede Ruest, chefe de dívida dos mercados emergentes da Nordea.

“Se avaliarmos desenvolvimentos positivos, podemos suspender a quarentena antes de uma data definida - igualmente se a situação piorar, talvez tenhamos que excluir os títulos do governo brasileiro do nosso universo”, acrescentou.

A Nordea Asset Management, com sede em Helsinque, tinha 205 bilhões de euros em ativos totais sob gestão no final de 2018.

Outros investidores nórdicos que tomaram medidas como resultado dos incêndios na Amazônia incluem o KLP, um fundo de pensão norueguês com mais de 80 bilhões de dólares em ativos sob gestão.

Ambientalistas afirmam que a maioria dos incêndios foi ilegalmente provocada por grileiros e fazendeiros que procuram expandir pastagens na Amazônia e que se sentem encorajados pelas críticas de Bolsonaro a excessivas proteções ambientais. O presidente brasileiro negou que os incêndios fossem deliberados.

A KLP disse nesta semana que estava entrando em contato com empresas norte-americanas nas quais tinha investimentos que fizeram negócios significativos com produtores agrícolas no Brasil para solicitar “ações concretas”.

Segundo a KLP, entrou em contato com as empresas americanas Bunge, Cargill e Archer Daniels Midland, nas quais a KLP investiu 453 milhões de coroas (51 milhões de dólares) em ações e títulos.

“Também analisaremos as empresas norueguesas que importam produtos de soja do Brasil para avaliar isso e pedimos que façam o possível para proteger as florestas tropicais”, afirmou Jeanett Bergan, chefe de investimentos responsáveis ​​da KLP, em comunicado.

Enquanto isso, o braço de gestão de ativos da seguradora norueguesa Storebrand disse que se comprometeria com uma nova política de desmatamento como resultado dos incêndios na Amazônia.

“O desmatamento é uma questão importante em nossos investimentos há muito tempo. Agora, nosso papel como proprietário ativo será intensificado, a fim de impedir o desmatamento”, afirmou o CEO Jan Erik Saugestad.

A Noruega trabalhou em estreita colaboração com o Brasil para proteger a Floresta Amazônica por mais de uma década e aportou 1,2 bilhão de dólares no Fundo Amazônia, do qual é de longe o maior doador.

No entanto, em agosto, o governo norueguês suspendeu doações para o Fundo Amazônia após aumento do desmatamento no país.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below