April 9, 2020 / 8:27 PM / 4 months ago

Brasil tem 3º recorde diário de mortes por coronavírus e se aproxima de superar 1.000

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Brasil registrou o terceiro recorde diário no número de novas mortes em consequência do coronavírus nesta quinta-feira, com 141 óbitos nas últimas 24 horas, totalizando 941 mortes e se encaminhando para superar a marca de 1.000 vítimas fatais de Covid-19 nesta semana.

Padre Jonathan Costa em igreja em meio a fotos de fiéis antes de missa no Santuário Dom Bosco, Brasília 9/4/2020 REUTERS/Ueslei Marcelino

De acordo com o Ministério da Saúde, o país ainda está em uma escalada de casos nos Estados mais atingidos pela doença, que devem ter pico apenas no final de abril ou início de maio, o que indica um aumento progressivo ao longo das próximas semanas.

As 141 mortes desta quinta-feira superam as 133 da véspera e representam um aumento percentual de 18%, superior ao crescimento registrado no dia anterior, que fora de 16%, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde.

Anteriormente, o maior número de mortes em um dia havia sido registrado na terça-feira, com 114 óbitos.

Como o número de mortes tem ficado acima de 100 diariamente desde terça-feira, é provável que o país ultrapasse a marca de mil óbitos por Covid-19 na sexta-feira.

Em relação ao número de casos, foram registrados 1.930 no país nesta quinta-feira, totalizando 17.857, o que representa um aumento percentual de 12%, abaixo da alta de 19% registrada no dia anterior, quando foram notificados 2.210 casos.

Diante do avanço da pandemia, o Ministério da Saúde voltou a fazer um apelo pelo cumprimento das medidas de isolamento social para conter a disseminação do coronavírus, uma vez que o pico de Covid-19 nos Estados mais afetados pela doença só deve ocorrer no final de abril e início de maio.

“Esses locais que estão já com sinal vermelho, com sinais de que há um aumento bastante considerável do número de casos, nós devemos dar a máxima atenção à questão da mobilidade social”, disse o secretário-executivo do ministério, João Gabbardo, em entrevista coletiva.

Dados desta semana analisados pela Reuters apontaram que o isolamento social imposto nas maiores cidades brasileiras contra o surto de coronavírus está começando a perder força, enquanto o presidente Jair Bolsonaro segue criticando as medidas de restrição de circulação, apesar da posição contrária do ministério e de especialistas em saúde pública.

O ministério, no entanto, reiterou a posição apresentada nesta semana de que localidades com baixa incidência de casos de Covid-19 podem afrouxar as medidas de isolamento social, que ficariam restritas apenas aos grupos de risco da doença.

De acordo com documento divulgado pela pasta, os municípios onde o número de casos confirmados de coronavírus não tenha impactado mais da metade da capacidade de atendimento poderão fazer transição para esse modelo de isolamento na próxima semana.

“Uma vez que o número de casos nesses municípios é baixo ou é zero, não temos nenhuma crítica a essas medidas de abrir esses municípios, porque eles, se sentindo tranquilos, tendo capacidade instalada para atendimento e estando de posse de equipamento de proteção, estão preparados para quando aumentar”, afirmou Gabbardo.

Segundo o ministério, 86% dos municípios brasileiros não têm sequer um caso registrado do novo coronavírus ou de qualquer síndrome respiratória aguda

De acordo com os dados do ministério, São Paulo continua sendo o Estado com maior número de casos no país, com 7.480 registros e 496 mortes, à frente do Rio de Janeiro, que contabiliza 2.216 casos e 122 óbitos.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below