for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Bolsonaro usa Twitter para mostrar que vai indicar diretor-geral da PF

Bolsonaro e Moro participam de cerimônia no Palácio do Planalto em outubro do ano passado 03/10/2019 REUTERS/Adriano Machado

BRASÍLIA (Reuters) - Sob a ameaça do pedido de demissão do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, o presidente Jair Bolsonaro usou sua conta no Twitter para justificar a demissão do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, apesar da contrariedade de Moro, e mostrar que vai escolher o sucessor.

Em sua conta, Bolsonaro publicou uma foto da exoneração de Valeixo, destacando o “a pedido” --o que é apenas uma formalidade-- e acrescentou o artigo legal que trata da nomeação do diretor-geral da PF.

“Art. 2º-C. O cargo de Diretor-Geral, NOMEADO PELO PRESIDENTE DA REPÚBLICA, é privativo de delegado de Polícia Federal integrante da classe especial”, escreveu o presidente no Twitter, referindo-se a lei de reorganização das carreiras da Polícia Federal.

O indicado para o cargo é, de fato, nomeado pelo presidente, mas a praxe é que o nome seja indicado pelo ministro da Justiça. A visão dentro do ministério e dentro da própria corporação é que o diretor-geral é uma pessoa de confiança do ministro da Justiça e deve ser mantido fora das influências políticas do Planalto o máximo possível --até porque é a PF a responsável por investigar ministros e, em alguns casos, o próprio presidente.

Bolsonaro já havia ensaiado demitir Valeixo em outras ocasiões. Desde a metade do ano passado, o presidente tentava substituir o diretor-geral, homem da confiança de Moro, com quem trabalhou na operação Lava-Jato em Curitiba. Mas a resistência do ministro a mudanças havia segurado a alteração até agora.

Na manhã de ontem, Bolsonaro informou Moro sobre sua decisão, e o ministro então avisou que poderia deixar o cargo, de acordo com fontes ouvidas pela Reuters. Uma operação de emergência para tentar demover o ministro foi capitaneada pelos ministros da Casa Civil, Walter Braga Netto, e da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos.

A intenção era que Valeixo saísse, mas Moro pudesse então indicar o sucessor. Segundo uma fonte, a tentativa de acordo não foi adiante.

Bolsonaro tocou adiante a demissão de Valeixo, publicada em uma edição extra do Diário Oficial na madrugada desta sexta e pretende indicar seu sucessor.

De acordo com uma fonte ouvida pela Reuters, Moro deve pedir demissão em pronunciamento marcado para as 11h desta sexta.

Reportagem de Lisandra Paraguassu

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up