for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Cemitérios do RJ ampliam capacidade em meio a avanço do coronavírus

Operário constrói novas gavetas em cemitério no Rio de Janeiro 28/04/2002 REUTERS/Ricardo Moraes

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Grandes cemitérios do Rio de Janeiro iniciaram obras pra construção de novas gavetas para sepultamentos, em meio ao avanço do novo coronavírus na cidade, onde a rede pública de saúde já atingiu o limite da capacidade de atendimento.

As obras, que chamam atenção pelo tamanho, já estavam planejadas para ocorrer, mas agora muitas dessas vagas serão destinadas a vítimas de Covid-19. Segundo a empresa responsável pela conservação de cemitérios do Rio, a demanda de sepultamentos ainda está adequada à capacidade de vagas disponíveis nos 21 cemitérios da cidade.

As obras acontecem em alguns cemitérios como São Francisco Xavier, Inhaúma e Irajá, todos na zona norte da capital fluminense.

Além das obras de ampliação em cemitérios, hospitais da cidade receberam contêineres frigoríficos para aumentar a capacidade dos necrotérios diante do avanço dos casos de Covid-19 no Estado, onde já foram confirmadas 677 mortes pela doença.

“O pior, como no caso da cidade do Rio, ainda está por vir, e a abertura de vagas em cemitérios mostra bem isso“, disse à Reuters a infectologista Cristiana Meirelles.

Como as aglomerações estão proibidas e a recomendação das autoridades é de evitar contato com o corpo de pessoas que morreram devido ao coronavírus, cemitérios do Rio tem realizado velórios pela internet.

Por Rodrigo Viga Gaier

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up