for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Comissão da OEA pede providências ao governo brasileiro para proteger índios ianomâmis de Covid-19

Médica das Forças Armadas examina mulher ianomâmi em Alto Alegre (RO) 01/07/2020 REUTERS/Adriano Machado

BRASÍLIA (Reuters) - Uma comissão vinculada à Organização dos Estados Americanos (OEA) pediu que o governo brasileiro adote medidas para proteger a saúde e a integridades dos membros dos povos indígenas ianomâmi e ie’kwana, implementando medidas preventivas contra a disseminação da Covid-19, além de fornecer atendimento médico adequado.

Em comunicado nesta segunda-feira, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) da entidade deu prazo de 15 dias para que o governo informe quais providências têm adotado em relação às etnias indígenas.

A comissão da OEA tinha recebido um pedido para adoção de providências em relação aos dos dois povos que relataram, entre outras questões, que estariam em risco no contexto da pandemia do novo coronavírus.

Uma das queixas relatadas é a exposição dos ianomâmis que podem ter aos garimpeiros ilegais que atuam na respectiva terra indígena.

“Em vista do exposto, a comissão considera que, a partir do parâmetro prima facie aplicável ao mecanismo de medidas cautelares, os direitos à vida, à integridade pessoal e à saúde dos membros dos povos indígenas ianomâmi e ie’kwana eles estão em uma situação de grave risco”, disse a resolução da comissão da OEA.

Reportagem de Ricardo Brito e Lisandra Paraguassu

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up