for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up
Nacional

Líder indígena do sul do Rio de Janeiro morre de Covid-19

Ativista coloca bandeira do Brasil pintada com cruzes sobre cruz durante ato em homenagem a vítimas da Covid-19 em Brasília 14/07/2020 REUTERS/Adriano Machado

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Um líder de uma tradicional aldeia indígena do sul do Estado do Rio de Janeiro morreu vítima da Covid-19 nesta terça-feira, informou a prefeitura de Angra dos Reis, em mais um óbito entre indígenas diante dos altos riscos provocados pela pandemia.

O cacique Domingos Venite, da Aldeia Sapukai, que fica em uma região de mata na cidade do sul fluminense, tinha 68 anos e estava internado no centro de referência para tratamento da Covid-19 da localidade desde 23 de junho.

“O falecimento foi no início da madrugada“, informou a prefeitura de cidade, que decretou luto oficial de três dias pelo falecimento do cacique, cuja aldeia abriga mais de 300 pessoas.

A morte do cacique se soma a outros 501 óbitos de indígenas em consequência da Covid-19 desde o início da pandemia, segundo dados levantados pela Articulação de Povos Indígenas do Brasil (Apib), uma associação nacional que congrega as 305 etnias do país.

O Ministério da Saúde registra um número menor, de 231 óbitos entre indígenas, uma vez que índios que deixaram as aldeias e se mudaram para cidades não são contabilizados pelo governo.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou na segunda-feira que as comunidades indígenas estão particularmente vulneráveis à pandemia de coronavírus devido a condições de vida precárias.

No caso brasileiro, a Apib ingressou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo medidas legais imediatas de proteção, alegando risco real de genocídio da população indígena devido à pandemia. Em resposta, o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, determinou que o governo federal tomasse medidas para proteção dos povos indígenas para evitar o aumento do contágio e de mortes, entre elas a criação de barreiras sanitárias para evitar a entrada em territórios de índios não contactados.

No início deste mês, as Forças Armadas realizaram uma operação em território ianomâmi para distribuir máscaras e implantar medidas de prevenção ao coronavírus.

for-phone-onlyfor-tablet-portrait-upfor-tablet-landscape-upfor-desktop-upfor-wide-desktop-up