July 31, 2020 / 12:48 AM / 5 days ago

Bolsonaro defende Pazuello e diz que gestão de Mandetta foi uma desgraça

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro fez nesta quinta-feira uma dura crítica à gestão de Luiz Henrique Mandetta à frente do Ministério da Saúde e a chamou de “desgraça”, ao mesmo tempo em que defendeu o ministro interino da pasta, general Eduardo Pazuello.

Presidente Jair Bolsonaro e ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello 09/06/2020 REUTERS/Adriano Machado

“Tivemos lá um médico, um primeiro médico lá, olha a desgraça que foi”, disse Bolsonaro, em transmissão ao vivo pelas redes sociais, ao iniciar um comentário a respeito da gestão de Pazuello, que tem sido criticado por levar militares para o ministério durante a pandemia de Covid-19.

Mandetta foi demitido por Bolsonaro em abril após uma série de desentendimentos com o presidente a respeito da gestão federal em relação ao combate ao novo coronavírus, em especial as políticas do ministério em defesa do distanciamento social.

O ex-ministro sempre defendeu um foco maior nas medidas de isolamento social, enquanto o presidente fazia uma defesa enfática para a retomada da atividade econômica.

As declarações contundentes de Bolsonaro sobre o ex-ministro ocorrem depois de Mandetta ter admitido em entrevista que pode ser candidato a presidente em 2022.

Na transmissão, Bolsonaro disse que a gestão de Nelson Teich, que sucedeu Mandetta, foi muito rápida e que, por “questão de foro íntimo”, ele resolveu sair com menos de um mês.

Teich deixou o cargo em maio por não querer avalizar, como cobrado por Bolsonaro, uma ampliação do uso da cloroquina e da hidroxicloroquina no tratamento do Covid-19. As duas drogas não têm eficácia comprovada para a doença.

Após fazer uma digressão sobre a atuação de Pazuello como militar na organização da Olimpíada do Rio e na operação em Roraima para receber refugiados venezuleanos, Bolsonaro elogiou o trabalho que vem sendo feito pelo interino à frente da pasta da Saúde.

“Ele está fazendo agora um excepcional trabalho”, disse. O presidente afirmou que Pazuello tem atendido a quase todas as solicitações feitas por Estados e municípios, e o defendeu das críticas por ter levado 15 militares para compor a equipe dele no ministério. “É a equipe dele, por coincidência são militares”, disse.

“O pessoal tem que ver se o ministério está dando errado, aí tudo bem: não interessa se o cara é militar, se é paisano, não interessa quem quer que seja. Ou bota a casa em ordem, ou dá o lugar para outro”, reforçou.

O presidente também fez um convite durante a transmissão ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para viajar ao Vale do Ribeira no helicóptero da Presidência.

Adversário político do presidente e duro crítico das medidas federais durante a pandemia, Doria é tido como possível adversário de Bolsonaro em uma eventual disputa ao Palácio do Planalto em 2022.

Bolsonaro disse que só não viajaria ao local se a região estiver sendo considerada como zona vermelha pelo governo estadual — foco de grande contágio do Covid-19.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below