10 de Dezembro de 2007 / às 11:51 / em 10 anos

Galeria Tate Modern vai construir extensão futurista de vidro

Por Niki O‘Callaghan

LONDRES (Reuters) - O museu londrino Tate Modern anunciou que pretende usar uma verba de 50 milhões de libras (101,3 milhões de dólares) recebida do governo britânico para ajudar a financiar uma ampliação futurista de suas galerias existentes.

O diretor do Tate, Nicholas Serota, disse que a construção deve levar adiante a regeneração de um bairro de Londres. Nas últimas duas décadas, uma série de atrações, apartamentos de luxo, restaurantes, museus e renovações de locais históricos apareceram na margem sul do rio Tâmisa.

“Estamos ansiosos para levar a Southwark um edifício que constitua um marco do século 21”, disse Serota em comunicado à imprensa esta semana.

O edifício de 10 andares, feito de blocos de vidro, foi projetado pelos arquitetos suíços que originalmente converteram a usina elétrica londrina do pós-2a Guerra Mundial num museu de arte moderna que se transformou numa das maiores atrações turísticas de Londres.

Herzog e De Meuron, que foram escolhidos para fazer o projeto do estádio nacional para as Olimpíadas de 2008 em Pequim e que receberam o prestigioso prêmio Pritzker de arquitetura em 2001, projetaram um edifício que vai aumentar em 60 por cento a capacidade do Tate.

O novo prédio, que visa reduzir o congestionamento de visitantes, deve ficar pronto em tempo para as Olimpíadas de 2012 em Londres. A previsão é que custe cerca de 165 milhões de libras.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below