10 de Setembro de 2014 / às 18:08 / em 3 anos

ESTREIA-"Era uma Vez em Nova York" traz Marion Cotillard como imigrante explorada

SÃO PAULO (Reuters) - Embora seja conhecido também por filmes policiais como “Caminho Sem Volta” (2000) e “Os Donos da Noite” (2007), foi no excelente drama “Amantes” (2008) que James Gray mostrou todo o seu amadurecimento como diretor, que transborda em “Era uma Vez em Nova York”, estrelado com muita sensibilidade por Marion Cotillard, Joaquin Phoenix e Jeremy Renner.

Atriz Marion Cotillard no tapete vermelho para exibição do filme "L'homme qu'on aimait trop", fora de competição, no Festival de Cannes. 21/5/2014 REUTERS/Regis Duvignau

Como drama de época, Gray (que assina novamente o roteiro com Ric Menello) conta a história de Ewa Cybulska (Cotillard), imigrante que chega a Nova York, em 1921, ao lado de sua irmã Magda (Angela Sarafyan).

Barradas ainda na ilha Ellis, a primeira por uma confusão qualquer no navio, a segunda por estar enferma, poderão ser enviadas de volta à Polônia de onde fugiram.

O desespero de Ewa, já separada de sua irmã doente, apenas diminui quando o gentil Bruno Weiss (Phoenix) lhe assegura que poderá, sim, entrar no país aos seus cuidados e, após juntar algum dinheiro, resgatar Magda. Apesar das suspeitas e desconforto, Ewa aceita a ajuda.

Logo ela percebe que Bruno é um cafetão, que ganha a vida com um grupo de prostitutas em bares mal frequentados da cidade. Sem outra opção (os tios que a receberiam chamam a polícia ao vê-la), Ewa acaba sendo obrigada ao trabalho junto às outras mulheres, apesar da revolta interna e sonhos de fuga.

Será em um desses bares que conhecerá o mágico Emil (Renner), primo de Bruno, formando uma espécie de triângulo amoroso ao qual Ewa se mostra completamente resistente. Mas é na relação com esses dois homens que Gray mostra toda a profundidade de sua personagem (como o fez em “Amantes”) e, com isso, o fabuloso trabalho de Cotillard, numa espiral de sofrimento, mas antes de tudo, escolhas.

Com um excepcional trabalho de figurino e ambientação, em especial na suja Nova York do início do século 20, com destaque para o trabalho do diretor de fotografia Darius Khondji (“Amor”, de Michael Haneke), “Era uma Vez em Nova York” é prova do talento de James Gray, tal como o do seu trio de atores, que encarnam as angústias de seus sofridos personagens.

(Por Rodrizo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below